The “Holodomor” and the Film “Bitter Harvest” are Fascist Lies

CTnYtsRWEAERS53

http://www.counterpunch.orghttp://www.counterpunch.org

Posted By Grover Furr On March 3, 2017 @ 12:18 am In articles 2015 | Comments Disabled
(Author’s note: In this article I rely heavily on the evidence cited in the research of Mark Tauger of West Virginia University. Tauger has spent his professional life studying Russian and Soviet famines and agriculture. He is a world authority on these subjects, and is cordially disliked by Ukrainian nationalists and anticommunists generally because his research explodes their falsehoods. )

22without-jews-there-would-never-have-been-bolshevism

Judeus: os bodes expiatórios

 

The Ukrainian nationalist film “Bitter Harvest” propagates lies invented by Ukrainian nationalists. In his review Louis Proyect propagates these lies.

Proyect cites Jeff Coplon’s 1988 Village Voice article “In Search of a Soviet Holocaust: A 55-Year-Old Famine Feeds the Right.” In it Coplon shows that the leading “mainstream” anticommunist Western experts on Soviet history rejected any notion of a deliberate famine aimed at Ukrainians. They still reject it. Proyect fails to mention this fact.

There was a very serious famine in the USSR, including (but not limited to) the Ukrainian SSR, in 1932-33. But there has never been any evidence of a “Holodomor” or “deliberate famine,” and there is none today.

The “Holodomor” fiction was invented in by Ukrainian Nazi collaborators who found havens in Western Europe, Canada, and the USA after the war. An early account is Yurij Chumatskij, Why Is One Holocaust Worth More Than Others? published in Australia in 1986 by “Veterans of the Ukrainian Insurgent Army” this work is an extended attack on “Jews” for being too pro-communist.

Proyect’s review perpetuates the following falsehoods about the Soviet collectivization of agriculture and the famine of 1932-33:

* That in the main the peasants resisted collectivization because it was a “second serfdom.”

* That the famine was caused by forced collectivization. In reality the famine had environmental causes.

* That “Stalin” – the Soviet leadership – deliberately created the famine.

* That it was aimed at destroying Ukrainian nationalism.

* That “Stalin” (the Soviet government) “stopped the policy of “Ukrainization,” the promotion of a policy to encourage Ukrainian language and culture.

None of these claims are true. None are supported by evidence. They are simply asserted by Ukrainian nationalist sources for the purpose of ideological justification of their alliance with the Nazis and participation in the Jewish Holocaust, the genocide of Ukrainian Poles (the Volhynian massacres of 1943-44) and the murder of Jews, communists, and many Ukrainian peasants after the war.

Their ultimate purpose is to equate communism with Nazism (communism is outlawed in today’s “democratic Ukraine”); the USSR with Nazi Germany; and Stalin with Hitler.

Collectivization of Agriculture – The Reality

Russia and Ukraine had suffered serious famines every few years for more than a millennium. A famine accompanied the 1917 revolution, growing more serious in 1918-1920. Another serious famine, misnamed the “Volga famine,” struck from 1920-21. There were famines in 1924 and again in 1928-29, this last especially severe in the Ukrainian SSR. All these famines had environmental causes. The medieval strip-farming method of peasant agriculture made efficient agriculture impossible and famines inevitable.

Soviet leaders, Stalin among them, decided that the only solution was to reorganize agriculture on the basis of large factory-type farms like some in the American Midwest, which were deliberately adopted as models. When sovkhozy or “Soviet farms” appeared to work well the Soviet leadership made the decision to collectivize agriculture.

Contrary to anticommunist propaganda, most peasants accepted collectivization. Resistance was modest; acts of outright rebellion rare. By 1932 Soviet agriculture, including in the Ukrainian SSR, was largely collectivized.

In 1932 Soviet agriculture was hit with a combination of environmental catastrophes: drought in some areas; too much rain in others; attacks of rust and smut (fungal diseases); and infestations of insects and mice. Weeding was neglected as peasants grew weaker, further reducing production.

The reaction of the Soviet government changed as the scope of the crop failure became clearer during the Fall and Winter of 1932. Believing at first that mismanagement and sabotage were leading causes of a poor harvest, the government removed many Party and collective farm leaders (there is no evidence that any were “executed” like Mykola in the film.) In early February 1933 the Soviet government began to provide massive grain aid to famine areas.

The Soviet government also organized raids on peasant farms to confiscate excess grain in order to feed the cities, which did not produce their own food. Also, to curb profiteering; in a famine grain could be resold for inflated prices. Under famine conditions a free market in grain could not be permitted unless the poor were to be left to starve, as had been the practice under the Tsars.

The Soviet government organized political departments (politotdely) to help peasants in agricultural work. Tauger concludes: “The fact that the 1933 harvest was so much larger than those of 1931-1932 means that the politotdely around the country similarly helped farms work better.” (Modernization, 100)

The good harvest of 1933 was brought in by a considerably smaller population, since many had died during the famine, others were sick or weakened, and still others had fled to other regions or to the cities. This reflects the fact that the famine was caused not by collectivization, government interference, or peasant resistance but by environmental causes no longer present in 1933.

Collectivization of agriculture was a true reform, a breakthrough in revolutionizing Soviet agriculture. There were still years of poor harvests — the climate of the USSR did not change. But, thanks to collectivization, there was only one more devastating famine in the USSR, that of 1946-1947. The most recent student of this famine, Stephen Wheatcroft, concludes that this famine was caused by environmental conditions and by the disruptions of the war.

Proyect’s False Claims

Proyect uncritically repeats the self-serving Ukrainian fascist version of history without qualification.

* There was no “Stalinist killing machine.”

* Committed Party officials were not “purged and executed.”

* “Millions of Ukrainians” were not “forced into state farms and collectives.” Tauger concludes that most peasants accepted the collective farms and worked well in them.

* Proyect accepts the Ukrainian nationalist claim of “3-5 million premature deaths.” This is false.

Some Ukrainian nationalists cite figures of 7-10 million, in order to equal or surpass the six million of the Jewish Holocaust (cf. Chumatskij’s title “Why Is One Holocaust Worth More Than Others?”). The term “Holodomor” itself (“holod” = “hunger”, “mor” from Polish “mord” = “murder,” Ukrainian “morduvati” = “to murder) was deliberately coined to sound similar to “Holocaust.”

The latest scholarly study of famine deaths is 2.6 million (Jacques Vallin, France Meslé, Serguei Adamets, and Serhii Pirozhkov, “A New Estimate of Ukrainian Population Losses during the Crises of the 1930s and 1940s,” Population Studies 56, 3 (2002): 249–64).

* Jeff Coplon is not a “Canadian trade unionist” but a New-York based journalist and writer, The late Douglas Tottle’s book Fraud, Famine and Fascism, a reasonable response to Robert Conquest’s fraudulent Harvest of Sorrow, was written (as was Conquest’s book) before the flood of primary sources from former Soviet archives released since the end of the USSR in 1991 and so is seriously out of date.

* Walter Duranty’s statement about “omelets” and “eggs” was not said “in defense of Stalin” as Proyect claims but in criticism of Soviet government policy:

But — to put it brutally — you can’t make an omelette without breaking eggs, and the Bolshevist leaders are just as indifferent to the casualties that may be involved in their drive toward socialization as any General during the World War who ordered a costly attack in order to show his superiors that he and his division possessed the proper soldierly spirit. In fact, the Bolsheviki are more indifferent because they are animated by fanatical conviction. (The New York Times March 31, 1933)

Evidently Proyect simply copied this canard from some Ukrainian nationalist source. Garbage In, Garbage Out.

* Andrea Graziosi, whom Proyect quotes, is not a scholar of Soviet agriculture or the 1932-33 famine but an ideological anticommunist who assents to any and all anti-Soviet falsehoods. The article Proyect quotes is from Harvard Ukrainian Studies, a journal devoid of objective research, financed and edited by Ukrainian nationalists.

* Proyect refers to “two secret decrees” of December 1932 by the Soviet Politburo that he has clearly not read. These stopped “Ukrainization” outside the Ukrainian SSR. Within the Ukrainian SSR “Ukrainization” continued unabated. It did not “come to an end” as Proyect claims.

* Proyect cites no evidence of a Soviet “policy of physically destroying the Ukrainian nation, especially its intelligentsia” because there was no such policy.

A Triumph of Socialism

The Soviet collectivization of agriculture is one of the greatest feats of social reform of the 20th century, if not the greatest of all, ranking with the “Green Revolution,” “miracle rice,” and the water-control undertakings in China and the USA. If Nobel Prizes were awarded for communist achievements, Soviet collectivization would be a top contender.

The historical truth about the Soviet Union is unpalatable not only to Nazi collaborators but to anticommunists of all stripes. Many who consider themselves to be on the Left, such as Social-Democrats and Trotskyists, repeat the lies of the overt fascists and the openly pro-capitalist writers. Objective scholars of Soviet history like Tauger, determined to tell the truth even when that truth is unpopular, are far too rare and often drowned out by the chorus of anticommunist falsifiers.

Sources: Mark Tauger’s research, especially “Modernization in Soviet Agriculture” (2006); “Stalin, Soviet Agriculture, and Collectivization” (2006); and “Soviet Peasants and Collectivization, 1930-39: Resistance and Adaptation.” (2005), all available on the Internet. More of Tauger’s articles are available at this page: https://www.newcoldwar.org/archive-of-writings-of-professor-mark-tauger-on-the-famine-scourges-of-the-early-years-of-the-soviet-union/

See also Chapter I of my book Blood Lies; The Evidence that Every Accusation against Joseph Stalin and the Soviet Union in Timothy Snyder’s Bloodlands Is False (New York: Red Star Press, 2013), at http://msuweb.montclair.edu/~furrg/research/furr_bloodliesch1.pdf

On the 1946-47 famine see Stephen G. Wheatcroft, “The Soviet Famine of 1946–1947, the Weather and Human Agency in Historical Perspective.” Europe-Asia Studies, 64:6, 987-1005.

35bdbc5dc0740b06a86b95898b4f9643

Distorção de História

Article printed from http://www.counterpunch.org: http://www.counterpunch.org

URL to article:

http://www.counterpunch.org/2017/03/03/the-holodomor-and-the-film-bitter-harvest-are-fascist-lies/

Anúncios

A Época da Pós-Verdade ou O Óbito da Verdade

blow-up

Na verdade, a única diferença, se a há, é usar de maneira manupuladora e cínica a falsidade, invertendo os valores: o verdadeiro passa, para os governos e para os media dominantes, a ser o falso, na perspectiva deles, e o falso converte-se em verdade indiscutível, uma vez etiquetado de falso tudo o que lhes não convém. A época da pós-verdade é, em suma, a época na qual os grandes poderes decidem o que deve ser, e não deve ser, dito à população. É uma forma de censura, barroca, ou pós-moderna, mas tão antiga como a sofística da Antiguidade.

É fácil, portanto, encontrar exemplos da pós-verdade, que, ao contrário do que diz o Oxford Dictionary, não consiste apenas em substituir os factos pelas emoções (melhor, sentimentos) mas sobretudo na capacidade dos que têm a palavra de convencer que a verdadeira verdade é falsa e que a sua é que é a verdadeira, distorcendo ou ocultado os factos, aproveitando-se do cinismo generalizado que desconfia mais da honestidade do que dos próprios cínicos, dado que ficam todos em família, postulando  não haver verdade, postulado que, enquanto enunciado, é  igualmente falso, recorrendo também ao provérbio antiquíssimo segundo o qual a mentira para ser eficaz tem de trazer à mistura um pouco de verdade. Mas ilustremos a pós-verdade com uma banda-desenhada, que a representa literalmente e muito bem:

tmw2016-12-21color

Reproduzo aqui um excelente comentário a esta palavra da novo-língua:

Manuel Augusto Araujo
Praça do Bocage

O Óbito da Verdade

“Os Oxford Dictionaries, um canone dos dicionários, elege todos os anos uma palavra da língua inglesa. A de 2016 é “pós-verdade”. Definiram-na como o “que se relaciona ou denota circunstâncias nas quais factos objetivos têm menos influência em moldar a opinião pública do que apelos à emoção e a crenças pessoais”.

Explicam os doutores de Oxford que “pós-verdade deixou de ser um termo periférico para se tornar central no comentário político (…) tornou-se uma das palavras definidoras dos nossos tempos.”

A verdade deixou de interessar, é um acessório no debate político. Quando Colin Powell vai às Nações Unidas, com mapas falsificados localizando fábricas de armas de destruição maciça no Iraque que não existiam, não mentia descaradamente, estava a desdobrar uma pós-verdade utilizada para justificar a invasão. Bush, Blair, Aznar e Durão Barroso na cimeira dos Açores não mentiram, estavam a fazer um exercício de pós-verdade.

As grandes plataformas de difusão da pós-verdade são as redes sociais bem sustentadas por uma comunicação social estipendiada ao serviço do imperialismo para justificar as suas acções agressivas. O que já está na forja é instituir censura nas redes sociais limitando a acção de quem, sem acesso aos media, denuncia as pós-verdades. Um exemplo recente: Kerry em entrevista ao New York Times diz, preto no branco, que os EUA sustentaram com armas e bagagens o Estado Islâmico. O NYT fez o seu trabalho editorial de desinformação. Expurgou essa passagem, deixou-a pairar nas entrelinhas. Construiram uma pós-verdade, desmentida pela gravação na integra da entrevista. Quem fizer circular essa gravação poderá agora ficar sujeito à censura. Com a vulgarização da pós-verdade tudo se torna possível, mesmo que se verifique que as afirmações feitas sejam mentira. Nada de inesperado se houver memória que teóricos da pós-modernidade defendem a tese que “a ideia moderna da racionalidade global da vida social e pessoal acabou por se desintegrar em mini-racionalidades ao serviço de uma global inabarcável e incontrolável irracionalidade”.

Os tempos em que Lenine proclamava que só a verdade é revolucionária, são sepultados pela pós-verdade, um triunfo da ideologia de dominante de direita que contamina boa parte da esquerda”.

( publicado no Jornal a Voz do Operário, Fevereiro 2017 http://www.avozdooperario.pt/images/Jornal/Fevereiro2017/VO3041_web.pdf)

Prós & Contras ou A Traição ao Jornalismo pelos Jornalistas Vendidos ao Capital que Controla os Meios onde Trabalham

 
No último Prós & Contras discutiu-se o jornalismo do futuro. Tratou-se de acto de ocultação das causas da decadência de um certo jornalismo do presente.
 
O jornalismo não está decadente a menos que se pense apenas no jornalismo empresarial de grande divulgação controlado pelo capital. No nosso país, temos os exemplos evidentes da RTP, da SIC, da TVI, do Expresso, de O Público, com gratas excepções em artigos honestos que ainda se podem  ver, ouvir e ler nas publicações e transmissões dessas empresas. 
Entre as coberturas mediáticas mais escandalosas e eficazes dos últimos tempos, porque uma mentira misturada com alguma verdade é mais eficiente do que uma mentira completa e ingénua, estão as notícias e comentários que escondem o carácter agressor externo, terrorista e islamista radical da guerra na Síria, a ideologia nazi e ultranacionalista do partido Svoboda que está à frente dos protestos violentos na Ucrânia, a militância comunista e a prática do terrorismo contra o Apartheid (segregação racial) de Nelson Mandela, assim como a sua desistência dos valores comunistas, que fez manter o enorme desfasamento económico entre ricos e pobres na África do Sul, as notícias e comentários dedicados à desinformação sobre as causas (sobreprodução, deslocalização, desregulamentação, fuga de capitais, especulação, para além do badalado desequilíbrio da balança de pagamentos, na verdade provocada pela ganância da burguesia) da crise que assola Portugal, assacada, pelo contrário, à luxúria em que supostamente viviam os cidadãos.
Mas trata-se apenas de querer ocultar que a mediocridade e a traição à profissão pelos jornalistas desses meios, especialmente vendidos ao imperialismo, à agressão e exploração dos países mais pobres e à cultura de pacotilha, não é um facto generalizado, uma sina dos tempos mas consiste apenas no facto de se terem vendido vergonhosamente. Basta conferir as grande peças de informação e de investigação jornalística que se podem ler em sítios da Net como Global Research, Le Grand Soir, William Bowles, Truth-Out, Counter Punch, Le Monde Diplomatique, etc., e mesmo na Russia Today.

Recordando o Fecho do Rádio Clube Português em 2010 – o Sucedâneo Inteligente da Censura


Lamento nunca mais ouvir as inteligentes e vivas entrevistas de Aurélio Gomes e de outros grandes profissionais da mais bem concebida rádio portuguesa actual. Não era alinhada com o PS, pelo menos não mais do que o é a TSF, esta sim uma espécie de porta-voz oficiosa do governo. O espectro político era vasto dentro dos limites do politicamente “correcto”. Podia dizer-se que era a puxar para o intelectual? Quem o afirma parece não gostar da inteligência e da cultura séria, nem sequer pontuada com o humor subtil dos notáveis jornalistas do RCP . Portugal já (não ainda mas já) não está preparado para uma rádio que não sirva notícias como tremoços com cerveja, à maneira da televisão, para uma rádio que as comente convidando conhecedores competentes de diversas áreas económicas e políticas. 
 
 
Aliás, o Rádio Clube Português intercalava temas mais sérios com assuntos de jet-set, pelo que só pessoas de muito baixo nível cultural ou de má-fé e de inveja a podem classificar de pretensiosa. 
Já agora, não foi o PS mas o PCP que na Assembleia da República apelou à salvação desta magnífica rádio.

“The act of Killing” – Documentário Sobre o Massacre de Entre Quinhentos Mil a Um Milhão de Comunistas na Indonésia 1965 (O Diário)

 


Um realizador norte-americano empreendeu a tarefa de documentar a chacina anti-comunista levada a cabo na Indonésia em 1965. O monstruoso massacre de um milhão de homens e mulheres, encorajado e saudado pelo imperialismo, surge reencenado por um dos seus principais perpetradores, pessoalmente responsável por mais de mil mortes. O filme foi estreado em Espanha a 30 de Agosto. Esperemos que venha a ser visto em Portugal.

 
 

 

 

Um realizador de cinema pede a um assassino que recrie, em filme, as torturas e crimes que cometeu na vida real. Este, encantado com a oferta, dispõe-se a isso com entusiamo e diligência. O resultado da experiência é uma alucinação cinematográfica que adquire proporções épicas quando se descobre que o criminoso é um dos líderes mais sanguinários dos esquadrões da morte na Indonésia, bandos de carniceiros que, em 1965, acabaram com a vida de um milhão de pessoas em menos de um ano. The Act of Killing, de Joshua Oppenheimer, é a consequência desse assustador delírio de fama dos genocidas indonésios que, no entanto, hoje vivem como heróis no seu país. O filme estreou em 30 de Agosto em Espanha.
Werner Herzog, um dos realizadores mais talentosos do cinema documental, revelou publicamente o seu assombro perante The Act of Killing. “Não vi um filme tão poderoso, surreal e aterrador em pelo menos uma década”, disse, acertando em cheio nos cinco adjectivos e na ordem com que os empregou. Tão impressionante, tão demente é a história deste filme, que a primeira reacção perante o mesmo é de surpresa. Uma espécie de estupefacção que se transforma em perturbação e confusão, antes de se transformar em espanto e, finalmente, em algo muito parecido com a angústia física.
Os Esquadrões da Morte
Anwar Congo, um dos cabecilhas dos Esquadrões da Morte que actuaram na Indonésia depois do golpe militar contra o Presidente Sukarno, é a estrela deste filme. Este verdugo, responsável, de acordo com as suas palavras, pela tortura e assassinato, com as suas próprias mãos, de mais de mil pessoas, encena perante a câmara os crimes que cometeu, explica como perpetrava as suas agressões e vangloria-se de se ter para isso inspirado em filmes de gângsteres que estreavam no cinema.
Assassino do grande ecrã, na sua juventude, ele e os seus amigos controlavam o mercado negro dos bilhetes. O exército recrutou-os depois do golpe para os esquadrões da morte porque sabia que odiavam os comunistas (que eram quem mais boicotava os filmes dos EUA, as mais rentáveis nos cinemas) e já haviam demonstrado que eram capazes de qualquer acto de violência. Hoje, quase cinquenta anos depois, Anwar Congo é uma figura venerada na Indonésia.
Fundador de uma poderosíssima organização paramilitar (Juventud de Pancasila), que integra publicamente ministros do Governo, tratada com todas as honras. É a imagem, o símbolo, de um país demente, que aplaude a corrupção e a violência. Um país em que genocidas são convidados de luxo em programas de televisão, onde se alongam sobre os seus projectos cinematográficos e sobre os seus aterradores assassinatos reais. Um país onde boa parte da população continua a viver completamente aterrorizada e que é apoiado pelo resto do planeta.
Palavra de genocida
“Matar é proibido, por isso todos os assassinos são castigados, a menos que matem em grandes quantidades e ao som das trombetas”. As palavras, que são de Voltaire, abrem este filme, em que se conjugam cenas de tiroteio pavorosas e em que trabalham os criminosos, com imagens dos mesmos noutras situações e perante a câmara, respondendo às perguntas da equipa de Oppenheimer.

 

“- Como é que exterminou os comunistas?”

 

“- Matámo-los todos. Foi isso o que se passou.”
“Não importa se acaba no ecrã gigante ou na televisão”, disse Anwar Congo, referindo-se ao filme que estão a filmar e antes de acrescentar: “Temos de demonstrar que é esta a história, que isto é o que somos, para que as pessoas no futuro se lembrem.” Um esforço tardio depois de falar perante as câmaras deste documentário, pois é absolutamente impossível esquecer o que contam, como contam e, pior, como o comemoram.
Anwar Congo dança vestido como um gangster do cinema, depois de mostrar o sítio onde executava as torturas. “No princípio, espancávamo-los até à morte, mas havia mesmo muito sangue (…). Quando limpávamos, o cheiro era terrível. Para evitar o sangue, tínhamos um sistema”. Dito isto, uns passos de chá-chá-chá. Assustador.
“Matar pessoas que não queriam morrer”
Testemunhos como este ocorrem ao longo de todo o filme e não são apenas procedentes da memória de Anwar Congo. Um editor de imprensa (“o meu trabalho era fazer com que o público odiasse os comunistas”), um líder paramilitar local que faz perante as câmaras uma ronda de extorsão exigindo dinheiro, o próprio vice-presidente do país, outro verdugo da época, um membro do Parlamento de Sumatra do Norte ou o subsecretário da Juventude e do Desporto trazem os seus contributos pessoais ao documentário, observando uma das coisas mais surpreendentes, a absoluta banalidade com que todos concebem o genocídio e a perfeita impunidade que construíram em seu redor.
Anwar Congo reconhece que torturou e matou cerca de mil pessoas com as suas próprias mãos.
“Quantas pessoas matou?”, pergunta a Anwar Congo, com um sorriso deslumbrante, uma apresentadora da TVRI, televisão pública da Indonésia. “Umas mil”, responde ele, também sorridente. Assustador e, ao mesmo tempo, lógico. No fundo, Anwar Congo e os seus colegas torturadores estão aqui a fazer publicidade, promovendo o filme que rodaram descrevendo os seus assassinatos.
A aberração chegou aqui ao seu ponto culminante. Passaram quase duas horas desde que começou o filme e o espectador assistiu ao grotesco espectáculo da fanfarronice de uns assassinos em massa. Durante todo esse tempo, ter-se-á interrogado, seguramente várias vezes, “como é possível viver com isto e nem sequer se arrepender?” A resposta é que provavelmente não é possível.
“Sei que os meus pesadelos são causados pelo que fiz, matar gente que não queria morrer”, disse num momento do documentário Anwar Congo, cada vez mais afectado pelo processo de filmagem e a quem a câmara de Oppenheimer também grava enquanto interpreta o papel de vítima numa das suas recriações. É um momento chave para o genocida e para o filme, este em que o assassino se põe no lugar das suas vítimas. É uma sequência que leva ao final deste documento. E aqui as turbulências emocionais por que passou o espectador são tantas e tão profundas que é muito difícil dizer se esse homem (em que agora algo mudou) está arrependido ou se o que sente é asco perante o mar de sangue provocado, ou se realmente não queria entender e agora, por fim, entendeu o que significa o acto de matar.
“Uma técnica de rodagem para tentar compreender”

 

Vencedor de muitos prémios, este filme foi concebido depois de três anos em que o realizador Joshua Oppenheimer se dedicou a filmar os sobreviventes dos massacres de 1965 e 1966. Durante esse tempo, a equipa de filmagem foi ameaçada, perseguida e avisada para que deixasse o país. No entanto, “os assassinos estavam mais que dispostos a ajudar-nos e, quando os filmámos gabando-se dos seus crimes contra a humanidade, não encontrámos nenhuma oposição. Abriram-nos todas as portas”. E então, no que Oppenheimer chamava essa estranha situação”, teve início um novo começo do filme.

 

Propuseram aos gângsteres filmarem o seu próprio filme, fazendo de si mesmos e de vítimas. “Os protagonistas sentiam-se seguros explorando as suas memórias e sentimentos mais profundos, e o seu humor mais negro. Eu sentia-me seguro interrogando-os continuamente sobre o que fizeram, sem temer que me prendessem ou batessem”.
“Desenvolvi uma técnica de filmagem através da qual tentei compreender por que razão a extrema violência, que muitos consideramos impensável, é não apenas possível, como se exerce como uma rotina. Tentei compreender o vazio ético que torna possível que os responsáveis pelo genocídio sejam homenageados na televisão pública com aplausos e sorrisos”, diz o realizador. “É assim que tentamos trazer luz sobre um dos capítulos mais escuros da história da humanidade, tanto local como global, e mostrar os custos reais da cegueira, do oportunismo e da incapacidade de controlar a ganância e a ânsia de poder numa sociedade mundial cada vez mais unificada. Em última análise, esta não é uma história sobre a Indonésia, é uma história sobre todos nós.”
O Golpe Militar de 1965

 

 

 

Em 1965, o Governo Indonésio foi derrubado pelos militares. Sukarno, o primeiro presidente da Indonésia, fundador do movimento não alinhado e líder da revolução nacional contra o colonialismo holandês, foi destituído e substituído pelo General Suharto. O Partido Comunista Indonésio (PKI), que havia apoiado firmemente o Presidente o Presidente Sukarno, que não era comunista, foi proibido de imediato. Na véspera do golpe, o PKI era o maior partido comunista do mundo fora de um país comunista.

 

 

Depois do golpe militar de 1965, qualquer pessoa poderia ser acusada de ser comunista: sindicalistas, agricultores sem terras, intelectuais, chineses… “Em menos de um ano e com a ajuda directa de certos governos ocidentais, mais de um milhão destes comunistas foram assassinados”, assegura a equipa de The Act of Killing.
Os EUA aplaudiram o massacre, que consideraram “uma grandiosa vitória sobre o comunismo”. A revista Time informava que era uma das melhores notícias para o Ocidente em anos, na Ásia”, enquanto o The New York Times escrevia: “Um raio de luz na Ásia”.
Tradução de André Rodrigues

Uma Saída do "Blog" 5dias e a Esquerda Caviar


Eu já tinha saído do “blog” “5dias” desde que argumentei com um sujeito da Academia, de quem já não me lembra o nome, que se diz alto especialista em sovietismo e que apontava Nikolai Bukharine como um exemplo e um modelo de anti-humanismo comunista, da perversidade inerente ao pensamento marxista. Porém, ele não sabia que Lenine tinha afirmado dos escritos de Nikolai Bukharine que estes, com o seu ultra-colectivismo e ultra-esquerdismo, pouco ou nada tinham de marxismo. Ignorância ou má-fé do senhor académico para pôr a descrédito o pensamento marxista. Portanto, não me espanta que mais alguém, Ivo Rafael Silva, tenha saído.

Ponho aqui a sua carta de despedida, por também  ser endereçada publicamente a mim, e mais um comentário – ambos muito esclarecedores – no “blog” Ad Argumentandum para se perceber melhor o motivo deste abandono.
 

A Minha Saída do 5dias

POSTED ON 12/11/2013
Esta nota resulta de eu achar que aqueles que me vão lendo – aqui e lá – merecem mais do que este anúncio meramente lacónico. É importante deixar claro que, quando fui convidado para integrar o 5dias, sabia muito bem ao que ia. Já era um seu leitor regular e conhecia as diferenças e sensibilidades que ‘grosso modo’ norteavam os seus autores. Todavia, sempre achei que essa diferença pudesse ser útil e enriquecedora, dentro de um pressuposto que acreditei poder ser respeitado: haver um ponto de luta e de intervenção comum, sempre mais presente que a natural manifestação das diferenças. No caso, acreditei eu, esse ponto de luta seria o combate – que não deve deixar de ser valorizado por se tratar da blogosfera – contra a direita, a troika, o governo, o capitalismo. Acreditei que poderia dar o meu contributo, a minha opinião, num espaço onde fosse possível haver debate sem tabus, mas sempre sem perder de vista esse ponto central e convergente que é estarmos assumidamente de um dos lados da contenda. Nos últimos tempos, com crescente intensidade, verificou-se que alguns do autores do blogue se afastaram completamente desse tal ponto, embarcando por sua conta e risco numa cruzada sistemática de ataques ao PCP, à sua história e a Álvaro Cunhal, fazendo-o num tom pretensioso, ácido e insultuoso, logo à partida inibidor de qualquer tentativa de discussão séria. É natural e lógico que um blogue colectivo heterogéneo manifeste aqui e ali ‘a diferença’ de cada um; mas é importante que se perceba que na ‘diferença’ de cada um, por se tratar de uma ‘diferença’ manifestada dentro de um espaço que é comum, está sempre pelo menos um consentimento ou uma aceitação implícita ou indirecta de todos os outros. E há (houve) determinadas considerações que nem de forma indirecta a minha consciência me deixa aceitar.
O recurso regular, não sério, à adjectivação e qualificação venenífera do PCP, dos militantes comunistas, ou até do BE e de outras forças de esquerda, não é, contrariamente ao que alguns pretendem fazer crer, «abrir debate à esquerda» para atingir um qualquer objectivo «comum»; é encerrar-se a si próprio numa deriva que na verdade não quer chegar a parte nenhuma. É comportamento típico do culto do individualismo – ainda que inconsciente -, de quem quer centrar-se unicamente em si próprio, nas suas concepções únicas, desprezando e combatendo as demais, almejando secretamente poder um dia ainda vir a ser admirado ou enaltecido por tal facto. Bem sabemos que há «à esquerda» quem não queira comprometer-se com os partidos, e admito que tal aconteça por razões de certo modo compreensíveis. Contudo, a mim sempre me pareceu que a razão maior daqueles que preferem o «não compromisso» com um determinado partido, e que aliás combatem vigorosamente todos os existentes, tem que ver não com uma atitude de legítimo «descomprometimento», mas exactamente com uma atitude de doentio «comprometimento» consigo próprio, melhor dizendo, com o seu próprio espelho. É também esse egocentrismo latente, essa vaidade explícita, essa vontade irresistível de se destacar inter pares, essa necessidade de dizer publicamente que se pertence a um patamar de discussão elevado e que, face a este ou aquele tema, não fala porque não “se mistura” com a ralé “não académica”, que fere de morte qualquer tentativa de conservar vontade, predisposição ou paciência para continuar a partilhar o mesmo espaço.
Estas foram as razões que me levaram a sair do 5 dias. Na ausência dos pressupostos que me levaram a entrar, evidentemente que não me restaria outra alternativa que não a de sair. Importa referir ainda, e com isto termino, que não houve qualquer orquestração face a outros abandonos, nem a minha saída teve que ver com a saída particular de ninguém. Posto isto, resta-me apenas dizer àqueles – poucos – que vão gostando do que escrevo, e que, por isso, fazem questão de me continuar a ler, que, evidentemente, vou estar por aqui. Ponto final neste assunto. Cumprimentos a todos”.
 
Pedro Pinto disse:

12/11/2013 às 20:24

Acho que fizeste bem em sair, camarada.
Só discordo com a ideia do comprometimento com eles próprios de alguns desses de quem falas. A RV sabe muito bem o que quer da Academia e onde pretende chegar e sabe também que, para isso, tem de «lamber» determinados traseiros. Para além da sua tese (é uma tese, aquilo?) sobre o PCP, dirige actualmente uma revista internacional financiada pela fundação Friedrich Ebert, ligada à social-democracia alemã – sim, a do Shroeder. É isto o trotsquismo, o anticomunismo, o anti-sindicalismo – saem-se todos muito bem na vida. E tentam convencer-nos (e a eles próprios?) que é pelas suas qualidades intelectuais…

 

Grande abraço.

Turkey jails six ‘Marxist’ journalists for life

ISTANBUL – An Istanbul court has sentenced six Turkish journalists to life in prison on charges of belonging to a banned Marxist group, media watchdogs said Tuesday.
Among those affected by the court ruling handed down late Monday is Fusun Erdogan, who holds dual Turkish and Dutch citizenship and is director of Ozgur Radio, which broadcasts in Kurdish.
Erdogan, who has been detained since 2006, and five other defendants were charged with belonging to the banned Marxist-Leninist Communist Party (MLKP).
The party is listed as a terrorist organisation by Turkey.
The European Federation of Journalists in a statement denounced the verdict as “absurd”, saying it illustrated the Turkish government’s bid to control power.
“The verdict is a disgrace to the Turkish judicial system and an expression of the absolute power of the government,” it said. “It further shows that the regime does not tolerate any criticism.”
Turkey has long been criticised for a lack of press freedom.
The US-based Committee to Protect Journalists (CPJ) last year named it a “leading jailer of journalists”, identifying 76 who were in prison, 61 of them purely for their journalism.
But activists say the situation has deteriorated since the unrest that broke out earlier this year over the planned redevelopment of a park and evolved into mass protests against Prime Minister Recep Tayyip Erdogan, who is seen as increasingly authoritarian.
ML-Theory

A Marxist-Leninist Blog

John Riddell

MARXIST ESSAYS AND COMMENTARY

The Espresso Stalinist

Wake Up to the Smell of Class Struggle ☭

Viajar na História

Ontem, Hoje, Amanhã

Irresistível Mistura por Daiane Lopes

Receitas criativas, temperos e amor pela cozinha. A mistura irresistível do nosso dia-a-dia.

Philosophers for Change

Ideas for a new age

STALIN'S MOUSTACHE

Roland Boer's Blog: Marxism, Religion, Politics, Philosophy, whatever ...

communists in situ

leberwurst proletariat

Proletarian Center for Research, Education and Culture

...in the new exuberant aggressiveness of world capitalism we see what communists and their allies held at bay. - Richard Levins

Les Orwelliens

Collectif de journalistes souverainistes présidé par Natacha Polony

paixãoporlisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

Sabores com História

São os Sabores que nos Definem. Fazem parte da nossa Herança familiar e cultural. Contam muito de Nós, e dos Outros. São, a par de Outros, dos melhores Contadores de Histórias que conheço. Até já.

Confrariamor

Dos Eventos à história das Confrarias... gastronómicas e báquicas, passando pelos produtos endógenos e as iniciativas que acentuam o que é diferente, único, genuíno, tradicional e que importa preservar e defender, num mundo global.

Fotoclube f/508

www.fotoclubef508.com

Oscar en Fotos

Reflexiones e ideas en torno a la fotografía

williambowles.info

Online since 1979

%d bloggers like this: