Louçã e o Trotksismo do Bloco (dito) de Esquerda – Miguel Tiago

     28.Ago.17     Outros autores

Com o desassombrado de sempre, Miguel Tiago mostra neste artigo como a promíscua teia de cumplicidades entre Louçã-Bloco de Esquerda e a comunicação social reinante se articulam no tratamento e manipulação das ««circunstâncias, em que os factos objetivos têm menos influência na formação de opinião pública do que os apelos emocionais e as opiniões pessoais».

No dia 12 de Julho, o BE apresentou na Assembleia da República um voto de condenação e repúdio pela discriminação contra a comunidade cigana na Freguesia da Cabeça Gorda. De nada valeu que, pela altura da apresentação do voto, já a Freguesia da Cabeça Gorda tivesse esclarecido que o enterro do homem da comunidade cigana não se podia realizar no cemitério local pelo simples motivo de que existia um regulamento que o impedia, dado o facto de ali não ter pertença, nem morada passada ou presente.

Ora, o BE sabia que a impossibilidade de fazer o enterro no cemitério da Cabeça Gorda se devia, portanto, a um conjunto de factores, dos quais nenhum se relacionava com a etnia do cidadão. Ainda assim, pensou que seria mais um daqueles casos em que vale a pena ir a jogo contra o PCP – já que a autarquia da Cabeça Gorda é gerida pela CDU – e parece que estou a ver o Sr. Louçã lá na sua caverna a mandar umas linhas de intervenção para o Grupo Parlamentar que será sempre seu e a ponderar que já que o terreno é inclinado a seu favor, até a mentira pode ser recurso. Isto porque, para o BE, nas lutas que abre contra o PCP, o caminho está sempre facilitado. O BE sabe bem que a comunicação social tomará sempre o seu partido, o que é natural e não merece queixume mas sim denúncia, pelo simples motivo de que os óculos com que ambos olham para a sociedade são os mesmos. BE e comunicação social dominante usam os óculos da burguesia, da classe dominante, para descrever, interpretar e agir sobre os fenómenos. Falam a mesma língua e movem-se no seio da mesma classe, servindo-a portanto.

Ficaram o PCP e o PEV sozinhos na Assembleia da República a explicar a situação da freguesia da Cabeça Gorda, enquanto que os jornais e o BE se deliciavam com os títulos: “PCP vota contra a condenação da discriminação da comunidade cigana.”

Uns tempos antes, também pela mão do BE, todos estaremos recordados, chega ao Parlamento um voto de condenação pela existência de Campos de Concentração para Homossexuais na Tchetchénia, Rússia. De pouco importou se os campos de concentração de facto existiam. O PCP absteve-se num voto baseado apenas numa reportagem, sem testemunhos, sem confirmação absolutamente nenhuma. Mas o facebook é tramado, as redes sociais não perdoam, e portanto, ao PCP, na cabeça dos senhores Louçãs deste mundo, mais não podia fazer senão votar a favor. Uma vez mais, ao BE tanto importou se o campo de concentração existia ou não (não existia nenhum campo de concentração), o que importava era encostar o PCP a uma posição homofóbica que o BE construiu com a ajuda sempre pronta dos jornais e comentadores de serviço. Ora, para que não nos esqueçamos, o PCP fez nessa altura uma declaração de voto a associar-se à condenação de toda e qualquer espécie de perseguição a homossexuais, demarcando-se contudo do termo “campo de concentração” por não haver qualquer indício de que o Estado, na Tchetchénia estivesse a promover um programa de extermínio físico de homossexuais, que é o que “campo de concentração” representa. Se havia perseguições e torturas, praticadas por milícias ou forças policiais, isso devia ser condenado, mas isso não podia justificar que a Assembleia da República condenasse uma coisa que não existe.

Para o BE e para a comunicação social, a questão deixou de ser se o campo de concentração existe ou não, passou a ser o voto do PCP, a abstenção inaceitável do PCP num voto contra campos de concentração de homossexuais. Que importa se existem?

Esta é uma táctica habitual do BE. Sabendo que conta com o escudo da comunicação social, todas as guerras que compre com o PCP são à partida travadas em contexto de vantagem. O oposto é verdade para o PCP. O PCP sabe que todas as guerras que comprar com o BE serão travadas num contexto de desvantagem. A hegemonia cultural e a opinião dominante são tramadas e nenhuma delas é benevolente para com esse corpo estranho ao regime burguês que é o pensamento materialista, o pensamento dos comunistas.

Essa táctica do BE, intrinsecamente trotskyista, tem um ideólogo: Louçã. O mesmo que ontem mesmo colocou no seu facebook um documento falso sobre um suposto suborno do Governo Angolano a estudantes para que votassem no candidato do MPLA. Parece que o estou a ver todo contente a receber a falsificação de uma fonte qualquer e assanhado para espetar na sua página de facebook mais uma inequívoca prova de que Angola é uma ditadura e que o raio dos pretos vivem num regime corrupto que precisava de umas liçõezinhas da democracia ocidental. Quem sabe até um branco europeu tipo Luaty Beirão, com financiamento Soros, para pôr aquilo na linha?

Louçã não confirmou a veracidade do documento mas isso não demorou até que se tornasse evidente. O “documento” que Louçã anunciou como a prova irrefutável da inexistência de democracia em Angola não passava de uma má falsificação. Que Louçã use uma coisa destas não me admira. E a sorte é que estamos em Agosto, caso contrário, certamente o Dr, Conselheiro de Estado, vendedor de opiniões mastigadas, digníssimo senador da República, teria enviado uma cópia do “documento” para que o seu Grupo Parlamentar apresentasse o devido voto de condenação pelo suborno de estudantes em Angola. Que importa se o documento é falso? Absolutamente nada. Vejamos: a única notícia online que se encontra sobre o post do facebook de Louçã é do jornal Sol, que a divulga como uma acusação, sem dizer em nenhum momento que é baseada em documentos falsificados. Ou seja, Louçã pode dizer o que bem lhe apetecer, porque ninguém lhe cobra absolutamente nada.

Quem cobra ao BE os votos a favor das intervenções na Líbia, a passividade e cumplicidade com o imperialismo no ataque à Síria? Quem cobra ao BE o seu alinhamento com o imperialismo norte-americano e o ataque à revolução bolivariana? Quem cobra ao BE a sua hesitação em escolher um lado na luta pelo poder no Brasil? O BE está sempre a ver para que lado é mais fácil virar-se, em função da hegemonia, da opinião dominante do momento e não em função de pensamento próprio ou princípios. “Princípios” e “trotskyismo” na mesma frase é, por si só, um exercício de imaginação que só podia ser vencido por um documento falsificado. E mesmo nesse caso, eu duvidaria do emitente.

Não se trata de atacar Louçã, como ele não hesita em fazer a qualquer comunista, nem tampouco atacar o BE, porque sabemos que nos está vedado à partida esse direito sob pena de sermos imediatamente rotulados de sectários. Trata-se apenas de expor o carácter de quem mais não vê senão a sua ideia e que para a difundir está disposto a usar a mentira e a falsificação e de denunciar o branqueamento e a benevolência que a comunicação social tem para com os seus filhos.

* Deputado

Gostaste do que leste?

Divulga o endereço deste texto e o de odiario.info entre os teus amigos e conhecidos

Anúncios

Portugal, Eucaliptos e a Depredação da Natureza

O meu sogro, que vive em Terena, Alto Alentejo, sabe e afirma que na sua terra, antes de terem começado as plantações de eucaliptos, a terra ressumava de água, que podia ser aproveitada para a agricultura. Agora, aquele território está seco, não se vêm regatos, é impossível a existência de cultivos que exijam um pouco de água, a não ser em volta da pequena barragem. A”lei” do menor esforço, a indústria nacional de pasta de papel e os apoios governamentais e europeus associados a tais interesses estão a fazer de Portugal a Austrália da Europa, e por mais que se retalhe o território para limitar a extensão dos incêndios (objectivo dos estudos encomendados), a aridez e o empobrecimento natural do território será inexorável enquanto esse negócio for sustentado e for economicamente viável.

O Absurdo Acordo Ortográfico

DEFENDERACORDO

A questão do chamado ‘acordo ortográfico’ consiste, essencialmente, no facto de ele ser uma completa inutilidade, que desfigura desnecessariamente o português escrito, em nome de um suposto objectivo cujo ponto de partida não passa do erro gerado por um entendimento absurdo do que faz divergir os diferentes usos da língua. […] O que foi feito […]

1ee3d-quadros_ilustrativos_da_aberra_o_acordo_ortogr_fico

via #1501 — P e d r o L

Alugar o corpo, do próprio ou até de outrem (fazendo negócio com o sexo alheio)? Não há problema. É tudo relativo e o ser humano tem preço.

033-c-wedding-march

Notícias ao Minuto (10-02-2017):

“Comete crime de lenocínio “quem, profissionalmente ou com intenção lucrativa, fomentar, favorecer ou facilitar o exercício por outra pessoa de prostituição”, sendo “punido com pena de prisão de seis meses a cinco anos”, de acordo com o Código Penal.

O tipo legal do crime de lenocínio visa a proteção da liberdade e da autodeterminação sexual da(o) prostituta(o), inserido na parte dos crimes contra a liberdade sexual.

“Não se pode presumir, de forma categórica e inilidível, que quem fomente, favoreça ou facilite a prostituição, ao fazê-lo, pura e simplesmente, põe em risco a liberdade sexual de quem se prostitui”, sustenta o TRP, num dos argumentos apresentados.

Os juízes desembargadores João Pedro Nunes Maldonado e Francisco Mota Ribeiro votaram a favor da inconstitucionalidade do crime de lenocínio, enquanto o juiz desembargador António Gama apresentou voto de vencido, pelo que a decisão não foi unânime.

O acórdão da Relação do Porto faz menção a uma decisão do Tribunal Constitucional, proferida em dezembro de 2016, que considera constitucional o crime de lenocínio. Na ocasião, três juízes votaram neste sentido, contra dois, sendo que um dos votos contra esta decisão pertenceu ao presidente do Tribunal Constitucional, Costa Andrade.

A Relação do Porto discorda do Tribunal Constitucional e dos seus fundamentos.

“(…) Assentam em estudos de natureza acientífica, ligados à área dos conhecimentos sociais e empíricos, carecendo de demonstração metódica, organizada e racionalmente interpretada a associação da prostituição a situações de carências sociais elevadas e que qualquer comportamento de fomento favorecimento ou facilitação da prostituição comporta uma exploração da necessidade económica ou social do agente que se prostitui”, frisa o TRP.

Ou seja, além da imoralidade, os juízes mostram ignorância e atribuem-na aos outros.

tariffario

Sotaque Brasileiro num Telejornal (da SIC) em Portugal

maxresdefault

A cadeia de televisão portuguesa SIC acabou de transmitir no telejornal nocturno do seu canal principal uma reportagem sobre uma hospedaria (Hostel em português) que recebeu um prémio internacional. Nada de estranho até aqui. A surpresa, para quem ainda tem um til de orgulho em ser português e respeito por Portugal, e não tema ser apelidado de racista, nacionalista, fascista, reaccionário, conservador, anti-globalista, anti-mundialista, anti-cosmopolita, anti-multiculturalista ou anti-interculturalista, estava reservada para o sotaque brasileiro do jornalista! Sotaque brasileiro num profissional a transmitir em directo (ou que fosse em indirecto) numa cadeia nacional de televisão?! Nada contra o Brasil, tudo por Portugal, que são os portugueses, o seu território e a sua cultura. Mas há que nos indignar. É uma afronta à identidade nacional, à sua cultura, à sua língua, a um dos bens mais preciosos da nação. É caso para dizer: se a SIC é portuguesa e quem não se indigna é português – eu quero ser espanhol, que tem mais orgulho e dignidade do que os nativos deste recanto da Europa.

Ambiente: Grândola e Alcácer do Sal – Posso aceitar isto como pessoa de esquerda? Não, não posso calar!

fullsizeoutput_426

Afinal, há diferenças ou são todos iguais? Não basta lutar pela justiça social, pelo socialismo, que os comunistas sempre fizeram mais e melhor do que ninguém (por isso continuo a militar nas suas causas) mas o desenvolvimento das regiões não se pode pode fazer à custa do desinteresse pela Natureza e pelo ambiente. É possível conciliar as duas coisas. Mas os comunistas tiveram sempre uma pecha de que ainda não se desfizeram: a luta pelo desenvolvimento económico, condição da justiça social, vai-lhes a par com uma atitude industrialista que reduz a Natureza à utilidade, como se ela não tivesse um valor específico que o Homem lhe atribui quando lhe reconhece ser essencial ao seu enriquecimento afectivo, estético e ético. Não há nada a fazer quando se ocupa e altera a Natureza com estruturas imobiliárias, sejam indústrias mal localizadas, equipamentos turísticos nas mais ricas paisagens, bairros e vivendas dispersas pelo território. O desenvolvimento não pode ser territorialmente uniforme e homogéneo: deve ser diversificado em função tanto do que as pessoas têm para dar quanto do que a Natureza pode oferecer. A sensibilidade dos comunistas face à injustiça não deve torná-los insensíveis perante os encantos da Natureza.

fullsizeoutput_1fc7

A área da Reserva Ecológica Nacional (REN) foi “exagerada e escandalosamente” reduzida em mais de um terço nos últimos anos nos municípios de Alcácer do Sal e Grândola, denunciou a associação ambientalista Zero.

Na sequência de um trabalho da Inspeção da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território (IGAMAOT), a associação concluiu que uma decisão da “Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, sob proposta quer da câmara de Alcácer [do Sal], quer de Grândola, em 2013 e 2014, respetivamente, [levou a que] a REN destes municípios tinha sido exagerada e escandalosamente reduzida”.

O presidente da Associação Sistema Terrestre Sustentável — Zero disse à Agência Lusa que a diminuição da área de REN rondou “os 68%, no caso de Alcácer do Sal, e de 75%, no caso de Grândola, e [trata-se de] áreas muito diferenciadas, desde zonas dunares até zonas de recarga de aquíferos e zonas chamadas de grande infiltração”.

Naquelas câmaras alentejanas, “parece-nos, suspeitamos — e gostaríamos que a tutela o averiguasse devidamente -, que há interesses, nomeadamente imobiliários, em determinadas zonas onde, para se permitir a construção, algumas áreas foram retiradas de REN”, avança Francisco Ferreira.

De acordo com os ambientalistas, o objetivo dos processos “é retirar áreas muito significativas [da REN] para dar toda a liberdade ao município de poder construir ou modificar o uso do solo de acordo com interesses que não os vitais e fundamentais da proteção dos recursos”, os quais têm implicações para as populações.

Em Alcácer do Sal, segundo a Zero, a REN passou de 55.348 para 25.924 hectares. Excluído o efeito da alteração das regras a nível nacional, referente à Reserva Natural do Estuário do Sado, a redução é ainda mais acentuada, ou seja, para 17.999 hectares. Em Grândola, a REN caiu de 37.905 para 9.150 hectares.

Perante a gravidade da situação, a Zero pretende que “sejam averiguadas responsabilidades face aos erros identificados e que qualquer técnico consegue identificar”. “Estamos a falar de percentagens de REN absolutamente brutais a serem retiradas em relação à versão anterior, em ecossistemas que, não temos qualquer dúvida, são extremamente sensíveis”, alertou Francisco Ferreira.

O presidente defendeu também a importância de “averiguar, do ponto de vista jurídico, como podemos reverter este processo e fazer a avaliação para outros municípios, porque esta é uma situação identificada para dois, mas não nos espanta que a REN à escala nacional esteja a ser completamente destruída”.

A REN foi criada em 1983 e tem sido, segundo Francisco Ferreira, “absolutamente crucial” para salvaguardar a ocupação e as atividades humanas. Em 2008, foi alvo daquilo que Ferreira considera ser “uma mudança esclarecedora”, já que até ai as delimitações que impunha eram todas iguais a nível nacional.

A partir daquele ano, iniciou-se “um processo de municipalização da REN, uma ameaça que viria depois a concretizar-se”, salientou o especialista. Nos casos denunciados pela Zero, o processo de proposta, e depois de delimitação feito pela CCDR, tinha de ouvir entidades, nomeadamente porque se tratarem de áreas classificadas no âmbito da rede Natura e de áreas protegidas, como a da Reserva do Estuário do Sado, em Alcácer do Sal.

Este acompanhamento, segundo o relatório consultado, “não foi feito, mas o mais importante é as discrepâncias, a falha no cumprimento das orientações estratégicas definidas, do ponto de vista técnico e cartográfico”.

O Liberalismo Semi-Fascista das Escolas Portuguesas

d04f8-5549c822df7a8b076a711fce5aca290f622e15bf
Basta esta comparação para nos pôr a pensar:
– Os factos observam-se, explicam-se e experimentam-se (é o domínio e a actividade das ciências particulares);
– as ideias compreendem-se, debatem-se e praticam-se (é o domínio e a actividade da Filosofia).
Por conseguinte, a Filosofia e as ciências não se podem equiparar em termos didácticos.
Galileu escrevia que a Filosofia não deveria servir para formar “doutores” em memória. Kant afirmava que o ensino da Filosofia deveria servir para ensinar a pensar. Juntando as duas ideias, podemos encontrar o caminho correcto para a didáctica da Filosofia.
A imagem que vou apresentar de seguida não respeita a uma escola determinada mas a muitas das escolas deste país e reflecte o que tenho ouvido dizer acerca do que se passa nelas. Fica assim ressalvada a identificação oportunista e malévola com qualquer estabelecimento de ensino em concreto.
É evidente que não se ensina Filosofia obrigando os professores a seguir métodos semelhantes, a usar matrizes de testes iguais e a um teste de aferição (necessariamente igual na matriz e nas perguntas, no final do ano lectivo) para todas as turmas. Como se não se desse o caso de haver filosofias mas a Filosofia e como se não se desse o caso de haver alunos mas o Aluno. Não se normaliza a Filosofia como se uniformizam os parafusos.
Também não se ensina Filosofia incentivando a delação, a denúncia por parte dos alunos à direcção da escola quando um professor se desvia, mesmo que só um pouco, do modelo de ensino imposto, impelido pela urgência da sua própria personalidade.

Ainda que certas escolas a que me refiro, como aliás quase todas as outras (sem identificar nenhuma em particular), sigam a ideologia dominante que incentivam – a do liberalismo, concepção burguesa do mundo -, o método que usam para a promover entre os alunos é de estilo fascista: à semelhança deste regime político, realizam-se cerimoniais (actividades) de endoutrinação político-ideológica, que são incentivados de cima, pela direcção e pelo conselho pedagógico, sendo muito mal vistas quaisquer críticas a essas cerimónias e quaisquer outras actividades díspares da ideologia dominante; à semelhança do fascismo, vê-se com bons olhos a existência de informadores.

É a continuação do poder oculto da sombra negra do ensino em Portugal, da senhora Maria de Lurdes Rodrigues. Ela não é a Ministra encartada (creio que é ainda a presidente da Fundação Luso-Americana) mas a sua influência manifesta-se na resistência activa das direcções (e não só) das escolas à mudança de pedagogia que o actual Ministro tem, pelo menos, como programa.