O Suicídio da Europa

É evidente que a Europa, como era, não tanto com os seus males, tão terríveis quanto os dos outros continentes, mas com os seus bens, de humanismo e alta cultura, está perdida. 

A Europa pode ter muitos defeitos mas foi ela que produziu os maiores génios e sábios das ciências, da filosofia e das artes. E de tal maneira que aos outros só lhes resta fazer versões mais ou menos bem conseguidas. Cruéis, opressores e imperialistas? Também, mas é preciso lembrar que as civilizações pré-colombianas (Incas, Aztecas, etc.), os impérios africanos pré-coloniais, os árabes, os mongóis, os japoneses e outros, não lhes ficaram nada atrás nessas práticas. Recuso-me, por exemplo, a condenar a civilização da Grécia Antiga invocando o esclavagismo. Para além destas e de outras formas de relação social, que é preciso contextualizar, compreender e explicar historicamente, ficaram, espero que para sempre, como fruto da História da Europa, as maiores criações humanas. O negacionismo europeu de extrema-direita equipara-se ao negacionismo oportunista e vingativo do resto do mundo. 

O humanismo transformou-se em direito-humanismo instrumental, a alta cultura, e a própria cultura popular, europeias, tanto por efeito de calculismo ideológico quanto por efeito de uma política cultural que cedeu ao comércio, são inteiramente desconhecidas dos jovens e de muitos menos jovens. O sentimento de culpa, que os mongóis não têm, que os descendentes dos escravistas e genocidas africanos não têm, têm de sobra os europeus. 

E o que é mais trágico é a ignorância dos europeus comuns face à manipulação deste sentimento de culpa pelas elites económicas, financeiras e intelectuais europeias e americanas pró-globalistas, as quais põem à frente de tudo, em especial dos Estados-Nação, empecilhos, como sagrada, a liberdade económica. Tudo o que não luta por si merece morrer.

Anúncios

Cosmopolitismo e o Destino da Europa e do Mundo Numa Frase

O cosmopolitismo vai trazer o pior (e apenas alguma coisa do melhor) do mundo para a Europa e vai levar o melhor (e o pior) da Europa para o resto do Mundo. 

Soros – Crime Contra a Europa

arretsurinfo.ch:

“Ces ONG, financées par un milliardaire américain, qui encouragent les migrants à s’installer dans l’UE

Ces ONG financées par un milliardaire américain qui chuchotent à l’oreille de l’Union européenne pour encourager les migrants à s’y installer
Alors qu’une grande crise migratoire traverse l’Europe depuis de longs mois, certaines ONG jouissent d’une influence non négligeable auprès des instances décisionnelles de l’Union européenne. Derrière plusieurs d’entre elles se cache l’ombre de George Soros, le spéculateur et philanthrope américain.
Atlantico : D’après vous, les ONG qui préconisent l’installation des migrants en Europe reçoivent leurs directives et leur financement du spéculateur américain George Soros et de l’Union européenne. Pouvez-vous nous en dire plus ?
Bernard Carayon : Ce qu’il faut rappeler avant tout, c’est que l’Europe connaît un bouleversement humain, politique et social sans équivalent depuis 1945, avec l’arrivée de ce que l’on appelle les « migrants » dans notre novlangue collective : des étrangers en situation irrégulière et des réfugiés qu’on ne peut distinguer les uns des autres.
Une centaine d’ONG soutiennent l’installation de ces migrants en Europe. Un tiers d’entre elles sont subventionnées par l’Union européenne et par l’Open Society de George Soros. Le milliardaire spéculateur américain s’est fait connaître dans le passé pour avoir fait sauter la Banque d’Angleterre en 1992 et récupéré, au passage, plus d’un milliard de dollars, fait exploser les monnaies thaïlandaise et malaisienne en 1997, et spéculé contre le franc en 1993 ! Sa fortune est immense : près de 25 milliards de dollars ! Les revenus de ses capitaux ont été ou sont utilisés pour financer les « révolutions colorées » et des ONG, notamment pro-migrants : un milliard de dollars par an.
L’Open Society de George Soros et le think tank américain « Migration Policy Institute », domicilié à Washingthon D.C, ont par ailleurs publié en commun un rapport nommé « Accueillir l’engagement. Comment le sponsoring privé peut renforcer l’installation des réfugiés dans l’Union européenne ?« . Ce rapport se félicite que la Commission européenne ait encouragé l’appel aux sponsors privés et aux ONG pour réinstaller, hors-quotas, des migrants au sein des Etats-membres.
Autre élément : l’ONG PICUM, la « Plateforme pour la coopération internationale des sans-papiers », domiciliée à Bruxelles, exerce une influence considérable auprès des institutions européennes. Elle a produit récemment un guide à la suite de la directive de l’Union européenne « relative aux victimes », destiné à faire progresser l’accès à la protection, aux services, et à la justice des « migrants sans papiers ». Cette fois-encore, l’ONG est financée par l’Union européenne et par l’Open Society.
Troisième élément : l’ONG OXFAM, collaboratrice régulière de l’Open Society, finance avec cette dernière le mouvement « Y’en a marre » au Sénégal, qui est une tentative de « révolution colorée » dont Soros est coutumier ; Oxfam s’est investie aussi dans la lutte contre le charbon, à l’occasion de la COP 21, et est notamment financée par l’Union européenne, qui lui a versé 75,3 millions d’euros pour l’année 2013-2014.
Parmi tous les mauvais coups portés à la France – à l’industrie et aux banques françaises dans le passé –, OXFAM a exigé, dans son rapport « Solidarité avec le peuple syrien » d’octobre 2015, d’intensifier les programmes de réinstallation, critiquant la France parce qu’elle ne contribuait pas suffisamment à ces programmes, et a préconisé l’accélération des démarches pour les regroupements familiaux, l’accélération des modalités de parrainage communautaire ou des possibilités de bourse universitaire et de rémunération fondée sur le travail.
Un autre acteur du soutien aux immigrés est le réseau UNITED for Intercultural Action. Il est composé d’activistes d’extrême-gauche et notamment financé par le Conseil de l’Europe, la Commission européenne et l’Open Society.
On ajoutera également que, parmi les principaux think tanks influents sur la question, lethink tank américain European Stability Initiative est en réalité l’inspirateur du plan Merkel d’octobre 2015. Ce plan préconise que l’Allemagne accueille davantage de migrants et les exempte de visas pour circuler librement.
Derrière cet obscur think tank, on retrouve encore une fois l’Open Society de Soros, le Rockefeller Brothers Fund et bien d’autres financeurs américains.
Tout nous ramène ainsi au même homme : George Soros, celui qui finance à la fois l’opération des Panama Papers (au travers de l’ICIJ et de l’OCCRP) et ces ONG. Ces ONG pèsent à leur tour sur les institutions européennes et les programmes gouvernementaux, comme en Allemagne, pour accueillir des étrangers en situation irrégulière.
 
Au fond, vous critiquez aussi le fait que l’Union européenne, elle-même influencée par les ONG, finance justement les mêmes ONG qui soutiennent les migrants. C’est un échange à circuit fermé en quelque sorte ?
Il y a une complicité intellectuelle et politique entre l’Union européenne et les ONG que je viens de citer. Toutes sont portées par une idéologie sans-frontiériste, l’Europe représentant un terrain de choix car ses institutions sont très perméables à leurs idées politiques.
Cette question du financement n’a pas encore été posée devant l’opinion publique : qui finance ces ONG ? Comment peut-on accepter qu’une institution européenne soutienne des opérations qui violent les lois et les règlements des Etats membres de l’Union ? Financer des activités illégales, avec l’argent du contribuable européen, est illégitime et illégal !
Je souhaite que, pour le temps de la crise du Proche-Orient, les politiques migratoires ressortent de la compétence des Etats-nations, puisque l’Union européenne a démontré son impuissance et s’absorbe dans des solutions scandaleuses.
Je suggère que les députés français des Républicains au Parlement européen demandent des comptes à la Commission. Qu’ils réclament des chiffres ! Combien les contribuables européens payent-ils pour soutenir des ONG qui préconisent l’installation chez nous, en Europe, d’étrangers en situation irrégulière ?
L’administration bruxelloise apparaît totalement décalée par rapport aux aspirations des peuples. Partout en Europe, elle suscite un rejet qui rejaillit sur la construction communautaire. Un sondage, paru début mars, montrait que 59% des Français étaient hostiles à l’accueil des migrants. Et pourtant, en dépit de la poussée des mouvements de contestation dans l’opinion, l’Union continue dans cette direction.
Le ministre de l’Immigration australien a accusé les ONG d’encourager les migrants à des actes désespérés pour imposer un changement de politique migratoire, suite au suicide d’un migrant. Pensez-vous que les ONG et les think tanks aient un dessein politique supérieur au rôle humanitaire proclamé ?
Nul ne peut dire que les ONG agissent plus pour des raisons humanitaires que politiques.
J’observe simplement que la plupart d’entre elles sont financées par George Soros et que ses préoccupations sont vraiment politiques. On l’a vu à l’œuvre en Crimée, en Ukraine, en Géorgie, cherchant sans cesse l’affrontement avec les Russes et entraînant l’Europe dans ses obsessions, au mépris de nos intérêts et de notre amitié historique avec la Russie.
Son projet politique est partagé par une kyrielle de mouvements d’extrême-gauche, rejetant les frontières. Son projet, c’est No borders !
Soros, qui est derrière l’affaire des Panama Papers, ne donne pas pour autant un exemple éthique dans la gestion de sa fortune personnelle. Celle-ci a longtemps été gérée à travers le Quantum Fund, créé en 1973 et domicilié aux îles Caïman et aux Antilles néerlandaises. Ce fond n’a plus, depuis 2011, qu’une seule activité : gérer le Soros Fund Management, créé en 1969, et astucieusement installé à New York.
Le Soros Fund Management, qui a le mérite, en apparence, d’être domicilié aux Etats-Unis, a changé de statut en 2011 au lendemain de l’adoption par les USA de la loi Dodd Franck Wallstreet Reform And Consumer Protection qui a imposé un plus grand contrôle des marchés financiers et donc des fonds spéculatifs. Soros Fund a alors été transformé en « family office« , qui est exclu des obligations de transparence ! Le statut très particulier de ces « family offices » a fait l’objet d’un lobbying effréné, à l’époque, de George Soros, sous prétexte que l’argent familial devait être géré librement par la famille. En résumé, le Soros Fund Management est installé aux Etats-Unis, bénéficie d’un statut opaque, mais est géré par un fond, le Quantum Fund, domicilié dans des paradis fiscaux.
La Commission européenne propose une « contribution de solidarité » de 250 000 euros par réfugié pour contraindre les pays récalcitrants à l’accueil de réfugiés sur leur territoire : équivalent de leur suivi (éducation, logement, …) pendant 5 ans. Soit 50 000 euros par an. Pensez-vous qu’il y ait un décalage entre la cause des migrants et celle des Français dont le revenu de solidarité minimum est bien inférieur (socle du RSA : 6 288 euros par an) ?
C’est cela qui est scandaleux ! L’Union européenne se moque des travailleurs pauvres, issus des Etats de l’Union.
Je veux rappeler à nos bonnes consciences de gauche que le nombre de Français sans abris a progressé de 50% en 10 ans et de 84% à Paris, que le chômage des jeunes atteint en Europe 22%, près de 26% en France, alors que ces ONG exigent d’ouvrir le marché de l’emploi à ces migrants, négligeant les risques par ailleurs que représente leur infiltration par l’Etat islamique. D’ailleurs, puisque les ONG sont si promptes à agir avec tant d’énergie en faveur des migrants, je les invite à se mobiliser au service des SDF ou à rechercher l’accueil de leurs protégés auprès de l’Arabie Saoudite, du Qatar et de l’Algérie.
Sans compter que l’Union européenne a promis 6 milliards d’euros à la Turquie pour qu’Erdogan conserve chez lui les réfugiés de la région. Et il en profite pour obtenir la libre circulation des Turcs en Europe alors que son pays ne respecte pas les valeurs de l’Europe comme la liberté d’expression.
Propos recueillis par Clémence Houdiakova
Publié le 12 Mai 2016
Bernard Carayon est avocat et maître de conférences à l’Institut d’études politiques de Paris
Source: Atlantico

Os manipuladores da crise migratória Thierry Meyssan

 

Os manipuladores da crise migratória

As biografias dos três principais organizadores da crise migratória, e da resposta que lhe dá a União Europeia, atestam os seus laços com a administração norte-americana e a sua vontade prévia de abolir as fronteiras. Para eles, as migrações actuais não são um problema humanitário, mas a ocasião para pôr em prática as suas teorias.
 | DAMASCO (SÍRIA) | 2 DE MAIO DE 2016 

+
- Peter Sutherland, representante especial do Secretário-Geral da ONU encarregue das migrações internacionais
JPEG - 26 kb
Peter Sutherland
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Antigo Comissário Europeu Irlandês para a Concorrência, depois Director-Geral da Organização Mundial do Comércio (1993-1995); antigo director da BP (1997-2009), presidente da Goldman Sachs International (1995-2015); antigo director do Grupo de Bilderberg, presidente da secção Europeia da Comissão Trilateral, e Vice-Presidente da Mesa Redonda Europeia dos Industriais.
Se o Sr. Sutherland nunca perde uma oportunidade para sublinhar o dever moral de vir em socorro dos refugiados —Católico tradicional, foi conselheiro da IESE Business School da Opus Dei e, desde 2006, consultor Administração do Património da Santa Sé –- ele é, sobretudo um Ideólogo das Migrações internacionais. Entrevistado, a 21 de junho de 2012, pela Comissão de Assuntos Internos da Câmara dos Lordes, ele declarava que todos devem ter a possibilidade de estudar e de trabalhar no país da sua escolha, o que é incompatível com todas as políticas de restrição das migrações; e que as migrações criam uma dinâmica crucial para o desenvolvimento económico, independentemente do que dizem os cidadãos dos países de acolhimento. Por conseguinte, concluía ele, a União Europeia deve minar a homogeneidade das suas nações [1].
- Gerald Knaus, director-fundador da European Security Initiative (ESI)
JPEG - 21.3 kb
Gerald Knaus
Sociólogo austríaco. Trabalhou de 1993-2004 na Bulgária, na Bósnia-Herzegovina e no Kosovo –-no final do mandato de Bernard Kouchner—, primeiro para ONGs, depois para a União Europeia. Ele prosseguiu as pesquisas, de 2005 a 2011, no Carr Center for Human Rights Policy, da universidade de Harvard, depois das quais publica Can Intervention Work?(«Pode o Intervencionismo Funcionar?»- ndT). Ele funda a ESI em 1999, na Bósnia-Herzegovina. O Instituto recebe a sua primeira subvenção do US Institute of Peace(Instituto da Paz dos EU), instituição irmã da NED, uma dependente do Pentágono. Depois, Knaus parte para Washington onde ele é recebido precisamente na National Endowment for Democracy (NED), depois na Carnegie Fondation, e no American Enterprise Institute. Além disso, ele é recebido por James O’Brien e James Dobbins no Departamento de Estado, e por Leon Fuerth na Casa Branca. Em breve, a ESI é financiada pelo German Marshall Fund, a Mott Fondation, o Open Society Institute ( de George Soros), a Rockefeller Brothers Fondation, e os governos holandês, irlandês, luxemburguês, norueguês, sueco e suíço.
Em 2004, ele publica um relatório assegurando que a imputação segundo a qual 200.000 Sérvios tinham sido expulsos do Kosovo é uma mentira da propaganda russa. Em 2005, ele lança a teoria segundo a qual o AKP turco é uma formação «calvinista islâmica» buscando criar uma forma de «democracia-muçulmana».
No seu livro, Can Intervention Work? —que publicou com Rory Stewart, antigo tutor dos Príncipes William e Harry, do Reino Unido, que ele havia conhecido no Kosovo, e que, sucessivamente, se tornou assistente de Paul Bremmer, em Meyssan, durante a ocupação do Iraque, depois o director do Carr Center for Humans Rights Policy—, ele congratula-se com as invasões norte-americanas e desenvolve uma nova concepção da Colonização. Segundo ele, o «Intervencionismo Humanitário» é legítimo, mas só pode ter êxito se levar em conta as realidades locais. Ele redige, assim, o elogio de Richard Holbrooke , a quem havia conhecido no Kosovo. O seu livro irá ser promovido por Samantha Power, que é, tal como ele, uma antiga colaboradora de Holbrooke, e havia criado e dirigido o Carr Center for Humans Rights Policy, onde ele foi pesquisador.
- Diederik Samsom, deputado nerlandês, Presidente do Partido do Trabalho
JPEG - 23 kb
Diederik Samsom
Físico nuclear, antigo director de campanha sobre o Clima e a Energia da Greenpeace. Eleito deputado (pela proporcionalidade) desde 2003, tornou-se presidente do seu Grupo parlamentar, depois presidente do seu partido. Falha, entretanto, na presidência do Parlamento e na função de Primeiro-ministro. Recusa, então, participar no governo de coligação que apoia, e permanece presidente do seu grupo na Assembleia.
Teria um Q.I. de 136, e ganhou duas vezes um concurso televisivo de testes de inteligência. Declara-se ateu militante, é não fumador e vegetariano estrito. Ele foi convidado junto com o Primeiro-ministro, Mark Rutte, em junho de 2014, para a reunião do Grupo de Bilderberg, onde puderam debater com Peter Sutherland —mas não com Rory Stewart, que só fora convidado para a reunião de 2012—.
Segundo os observadores políticos holandeses, ele é a principal vítima do referendo de apoio ao Acordo Europeu com a Ucrânia. Ele tinha-se, pessoalmente, comprometido neste tema e contra a Rússia. A sua derrota traduz-se de acordo com as sondagens num recuo, de metade a três quartos, na influência do seu partido.
Tradução
Alva
[1] “EU should ’undermine national homogeneity’ says UN migration chief” («A U.E. deveria minar a homogeneidade nacional diz o Chefe das migrações nas Nações Unidas»- ndT), Brian Wheeler, BBC, June 21st, 2012.

Como a União Europeia Manipula os Refugiados Sírios: Thierry Meyssan

 

Como a União Europeia manipula os refugiados sírios

A crise dos refugiados que ensombrou a União Europeia durante o segundo semestre de 2015 foi artificialmente fabricada. Entretanto, vários grupos tentaram instrumentalizá-la, fosse para destruir as culturas nacionais, para recrutar trabalhadores a baixo preço ou, ainda, para justificar o financiamento da guerra contra a Síria. No fim, uma vez passada a vaga e os estragos causados, o problema permanece, sobretudo, pelo lado africano.
 | DAMASCO (SÍRIA) | 2 DE MAIO DE 2016 

+
JPEG - 59.5 kb
Chegada de migrantes afegãos da Turquia à Grécia.
Desde a publicação coordenada da fotografia de uma criancinha curda, Aylan Kurdi, afogado numa praia turca, a 3 de Setembro de 2015, a opinião pública europeia mobilizou-se através de diversas iniciativas em favor dos refugiados. De imediato, o Presidente francês, François Hollande, e a Chanceler federal alemã, Angela Merkel, se pronunciaram a favor de um «mecanismo europeu de acolhimento permanente e obrigatório», enquanto uma multidão imensa, surgida não se sabe de onde, começava a sua progressão a pé através dos Balcãs. Apenas o Primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, se levantou contra esta súbita migração em massa.

A proposta da ESI

Até aqui, a questão das migrações era um problema económico, principalmente a partir de África para a Itália. A isto era preciso adicionar uma questão interna da União : a demanda pela indústria pesada alemã expressa pelo seu Presidente, Ulrich Grillo, de poder recrutar, para a Alemanha, 800.000 trabalhadores leste-europeus não pertencendo ao espaço Schengen. Do dia para a noite, juntava-se a estes dois factores económicos o dos refugiados humanitários, fugindo a uma zona de guerra.
A primeira proposta concreta para responder à nova situação é formulada, a 17 de Setembro de 2015, pela ESI (“European Security Initiative”-ndT), um “think tank” criado em Berlim, depois detalhada a 4 de Outubro. Tratar-se-ia de concluir um acordo entre a União Europeia e a Turquia de maneira a parar o fluxo, ao mesmo tempo organizando a transferência de 500.000 refugiados sírios para a União ao longo dos doze meses seguintes. Além disso, a Turquia iria comprometer-se a retomar os outros migrantes que continuassem a entrar ilegalmente na União, enquanto, em troca, ela beneficiaria de uma isenção de vistos para todos os seus cidadãos.
«É um reconhecimento que a crise síria é efectivamente única, e criou uma crise humanitária a uma escala que a Europa não conheceu desde a Segunda Guerra Mundial» indica a ESI, a qual precisa que a iniciativa deve partir da Alemanha, como resposta à intervenção russa na Síria.
Ora,
- a ESI considera como sendo evidente que os refugiados sírios fogem da «repressão do regime de Bashar» apoiado pela Rússia.
- a ESI só toma em conta os refugiados sírios e não os refugiados iraquianos, igualmente perseguidos pelo Daesh (E.I.).
A ESI precisa que o seu plano tem igualmente como objectivo :
- prevenir o desenvolvimento da extrema-direita na Áustria —o director deste “think-tank” é Austríaco—
- preparar uma operação similar para 1,1 milhões de refugiados sírios, actualmente baseados no Líbano, e que serão enviados para a América do Norte e para a Austrália. Trata-se, aqui, da aplicação das teorias de Kelly Greenhill sobre a «gestão estratégica das migrações como arma de guerra» [1], tal como os pesquisadores da ESI tinham constatado aquando do desencadeamento da guerra do Kosovo [2].
Por outro lado, ao propôr reenviar os migrantes para a Turquia a ESI parece ignorar que este país não é um Estado seguro para os refugiados, e que o mesmo recusou assinar a Convenção de 1951.
 

 

O Plano Merkel

A 23 de Setembro, o Conselho Europeu publica um comunicado em que mistura, por sua vez, a questão dos migrantes com a da guerra na/contra a Síria [3].
Os princípios do plano da ESI são retomados a 7 de Outubro pela Chanceler Angela Merkel, aquando de uma entrevista com a jornalista Anne Will na televisão ARD.
Para apresentar o seu projecto, agora denominado «Plano Merkel», a ESI organiza conferências em Berlim, Ancara, Istambul, Estocolmo, Bruxelas e Haia.
Independentemente da urgência provocada pela multidão que se junta nos Balcãs, a União organiza, a 12 de Novembro, em La Valletta, uma cimeira para regular a questão estrutural das migrações económicas vindas de África. Fica acordado criar um Fundo especial de € 1,8 mil milhões de euros para projectos de desenvolvimento, de longo prazo, que irão proporcionar uma perspectiva económica local aos Africanos e os ajudar a fixar-se nos seus locais.
A União organiza, a 29 de Novembro, uma outra cimeira do Conselho Europeu desta vez com a Turquia. O «Plano Merkel» é adoptado pelas duas partes. No entanto, pacote de ajuda à Turquia é adicionado a um montante inicial de 3 mil milhões de euros.
O Conselho justifica esta súbita generosidade como um apoio para o abrigo de refugiados sírios que teria já custado US $ 8 mil milhões de dólares à Turquia, mas sem encarar dar uma soma equivalente ao Líbano e à Jordânia que abrigam, entre os dois juntos, mais refugiados sírios que a Turquia. Além disso, o Conselho finge ignorar que as despesas Turcas já foram reembolsados pela ONU, pelo Catar e pela Arábia Saudita, e que a Turquia tem sistematicamente pilhado o Norte da Síria —pelo desmantelamento de máquinas-ferramentas e roubo de antiguidades—, resultando em somas infinitamente superiores. Finalmente, a maioria dos 2,7 milhões de refugiados sírios na Turquia integraram-se na economia local, de tal modo que menos de 240. 000 foram colocados sob a proteção do Programa Alimentar Mundial.
Na realidade, a Alemanha e a França, que pressionaram para a criação desta subvenção, pensam assim financiar, indiretamente, o prosseguimento da guerra contra a Síria, o que —segundo eles— irá pôr fim ao calvário dos refugiados pelo derrubar da República Árabe Síria.
A 21 de janeiro 2016, o director da ESI, Gerald Knaus [4], publica uma coluna de opinião no Süddeutsche Zeitung. Ele defende o princípio de uma cooperação mais estreita e directa entre a Alemanha e a Turquia, sem passar pela União Europeia. Ele conclui que um falhanço do «Plano Merkel» levaria «ao reforço daqueles que querem abolir o direito de asilo, que são contra os refugiados, contra a União, contra a Turquia, contra os muçulmanos, e que apoiam Putin». [5].
Gerald Knaus não explica porquê é que o facto de se tratar entre Berlim e Ancara directamente, sem passar por Bruxelas, permitirá lutar contra o eurocepticismo. Como tão pouco explica porque é que a Rússia quereria ver os refugiados sírios morrer afogados no mar Egeu.
Ninguém reagiu a estas insanidades porque há muito tempo que a questão dos refugiados não mais é tratada de maneira racional.

O Plano Merkel-Samsom

A 28 de Janeiro, enquanto a presidência rotativa do Conselho Europeu se sediava, por seis meses, nos Países Baixos, o Primeiro-ministro holandês Mak Rutte e o seu aliado, o presidente do Partido do Trabalho, Diederik Samsom [6], anunciam no De Volkskrant ter preparado as modalidades concretas para a realização do «Plano Merkel» [7]. Irá falar-se portanto, agora, de «Plano Merkel-Samsom» para designar o projecto apresentado pela ESI [8].
De passagem, fica-se a saber que Diederik Samsom realiza consultas com diversos governos socialistas europeus desde Novembro e que ele já tinha ido à Turquia.
A 18 de Março, o Conselho Europeu, presidido pelos Países Baixos, confirma a conclusão do acordo de 29 de Novembro [9]. Salvo que, por um passe de magia, os 3 mil milhões (bilhões-br) de euros que deviam ser entregues à Turquia se tornaram 3 mil milhões anuais.
No entanto, entre as duas cimeiras europeias, o número de refugiados entrados ilegalmente na União, a partir da Turquia via Grécia, é avaliado em cerca de 200. 000.

Observações sobre uma deriva

Em seis meses e meio passou-se de uma crise envolvendo refugiados, provindos principalmente de África, afogando-se no Mediterrâneo antes de se aproximarem das costas italianas, a um maná para a indústria pesada alemã poder utilizar 800.000 trabalhadores de baixos salários, depois a uma operação de financiamento da guerra contra a Síria e de deslocalização da sua população.
Com efeito, fica provado que :
- O representante especial do secretário-geral da Onu encarregue das migrações internacionais, Peter Sutherland [10], forçou o Programa Alimentar Mundial a diminuir as dotações destinadas aos refugiados sírios, a 1 de Julho de 2015, tornando difícil a sobrevivência de cerca de 240. 000, dentre eles, na Turquia. Desta forma, o grupo de pressão anglo-saxão que ele representa entendia provocar uma crise afectando a identidade das Nações Europeias. Esta decisão, seguida de declarações de hospitalidade do Presidente francês e da Chanceler alemã, no dia seguinte à publicação da foto do cadáver do jovem Aylan, encorajou alguns refugiados sírios a tentar a sua sorte na Europa. De seguida, Peter Sutherland opôs-se ao «Plano Merkel-Samsom» porque ele estabiliza as populações (e só instrumentaliza a crise contra a Síria).
- A Imprensa Nacional francesa, que fornecia até 2011 os passaportes sírios, fabricou um grande número deles que foram distribuídos no início da crise a migrantes económicos não-sírios –-principalmente Libaneses—, de maneira a aumentar a pressão dos «refugiados» sobre a Europa.
- Circuitos de migração foram organizados, não para trazer os refugiados sírios da Turquia para a Europa, mas para ir buscar Sírios a casa, na Síria, e levá-los para a Europa. Rumores foram lançados propagandeando condições de acolhimento luxuosas para refugiados sírios na Europa, uma linha aérea especial foi aberta desde Beirute, e uma linha de transporte marítimo, desde Tripoli, para encaminhar para Esmirna Sírios que não eram refugiados. Em algumas semanas, viu-se burgueses de Damasco e de Lataquia —que sempre tinham apoiado a República Árabe Síria— vender os seus negócios e tomar o caminho do exílio.
No fim, contrariamente a certas declarações oficiais :
- A ligação entre a pressão migratória na Europa e a guerra na / contra a Síria é artificial. Foi deliberadamente criada de maneira a provocar, ao mesmo tempo, tanto a aceitação de migrações como o financiamento, indirecto, da guerra pela União. Se algumas centenas de milhares de Sírios foram pressionados a atravessar o Mediterrâneo, é pouco provável que milhões os viessem a seguir.
- A mistura de populações, que se montou para formar a multidão que atravessou os Balcãs, é particularmente explosiva. Ela incluí tanto Sírios e Iraquianos, como Afegãos, Albaneses e Kosovares etc. O facto de todas essas pessoas serem predominantemente muçulmanas não bastaria para esconder que têm culturas, e uma interpretação da sua religião, muito diferentes; origens sociológicas e motivações sem qualquer ligação entre elas.
- Para além do episódio do segundo semestre de 2015, a pressão migratória sobre a Europa permanece essencialmente Africana. No entanto, nos próximos anos ela poderia se tornar Turca. Com efeito, se Ancara privar, como anunciou, 6 milhões dos seus cidadãos da sua nacionalidade, estas pessoas tentarão, por todos os meios, fugir do seu país de origem se possível antes de se tornarem apátridas. Uma transferência poderia ser facilitada pela abolição dos vistos necessários aos cidadãos turcos para entrar no espaço Schengen.
A reter : 
- Três grupos, diferentes, manipularam a crise dos refugiados do segundo semestre de 2015 :
• os partidários da destruição das culturas nacionais, reunidos em volta do antigo presidente da OMC, Peter Sutherland, o qual pensava assim favorecer o livre-comércio global ;
• a indústria pesada alemã, à volta do seu presidente Ulrich Grillo, o qual esperava, assim, dispôr de 800. 000 novos trabalhadores de baixos salários ;
• a França e a Alemanha, representadas por François Hollande e Angela Merkel, os quais viram aí uma maneira de legitimar o financiamento indirecto da sua guerra contra a Síria.
- Estes três grupos têm em comum o apoio à OTAN, a inter-comunicação, nomeadamente no fórum do Grupo de Bilderberg, e a partilha de um mesmo cinismo face às populações. Mas os seus fins são divergentes, de tal modo que, no fim, os Estados saíram a vencer face aos partidários do livre comércio global.
- Como muitas vezes acontece neste tipo de crise, as populações deliberadamente postas em movimento não excederam algumas centenas de milhares de pessoas. Elas juntaram-se a outros fluxos, mais antigos e constantes. Foi a interpretação mediática mentirosa que deu a impressão de uma transferência iminente de milhões de pessoas.
Tradução
Alva
[1] “Strategic Engineered Migration as a Weapon of War” («Migração Estrategicamente Orquestrada como Arma de Guerra»- ndT), Kelly M. Greenhill, Civil War Journal, Volume 10, Issue 1, July 2008.
[2] Em 1999, a CIA organiza o deslocamento, em três dias, de mais de 290.000 Kosovares da Sérvia para a Macedónia, em frente às câmeras das Agências de imprensa ocidentais. Trata-se de fazer crer numa repressão étnica pelo governo de Slobodan Milošević, e de justificar a guerra a seguir.
[3] « Déclaration du Conseil européen sur la vague de migration », Réseau Voltaire, 23 septembre 2015.
[4] Ver a sua biografia em : “Os manipuladores da crise migratória”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 2 de Maio de 2016.
[5] «Ein Plan B für Merkel», Gerald Knaus, Süddeutsche Zeitung, 21. Januar 2016.
[6] Ver a sua biografia em : “Os manipuladores da crise migratória”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 2 de Maio de 2016.
[8] “Rights groups criticise Europe refugee resettlement plan”, Patrick Kingsley, The Guardian, January 28th, 2016.
[10] Ver a sua biografia em : “Os manipuladores da crise migratória”, Thierry Meyssan, Tradução Alva, Rede Voltaire, 2 de Maio de 2016.

O Suicídio Europeu Face à Turquia – por Thierry Meyssan

 

 
A HISTÓRIA EM VIAS DE SE REPETIR

O suicídio Europeu face à Turquia

RESEAU VOLTAIRE. ORG
 
Ao assinar um acordo —diga-se de passagem, ilegal no Direito Internacional— com a Turquia para abrandar o afluxo de migrantes, os dirigentes da União Europeia envolveram-se um pouco mais num pacto com o diabo. Uma grande parte dos 3 mil milhões (bilhões-br) alocados a Ancara servirá para financiar o apoio aos jiadistas e, por conseguinte, a aumentar o número de migrantes que fogem à guerra. Acima de tudo, revogando, nos próximos meses, os vistos com a Turquia, os Europeus instituem a livre circulação entre os campos da Al-Qaida, na Turquia, e Bruxelas. Esmagando assim os povos iraquiano e sírio sob a opressão dos jiadistas, que eles financiam indirectamente, e abandonando o povo turco à ditadura do Presidente Erdoğan, preparam as bases de um vasto enfrentamento do qual virão a ser as vítimas.
 | DAMASCO (SÍRIA) | 22 DE MARÇO DE 2016 
+
JPEG - 40.6 kb
Aquando da conferência de imprensa de 18 Março de 2016, o presidente da União Europeia, Donald Tusk (um Polaco que defende os interesses da Alemanha), parecia tentar acalmar a fúria do presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker (um Luxemburguês que defende os interesses dos E.U.A.). Para enorme satisfação de um Primeiro-ministro Turco, tranquilamente irónico, Ahmet Davutoğlu.
© União europeia
«A democracia é como um tramway, subimos para ir aonde queremos e aí chegados descemos»
Recep Tayyip Erdoğan (1996)
O Conselho Europeu de 17 e 18 de Março de 2016 adoptou um plano visando resolver o problema colocado pelo afluxo maciço de migrantes provindo da Turquia [1]. Os 28 chefes de Estado e de governo submeteram-se a todas as exigências de Ancara.
Nós havíamos já analisado a maneira pela qual os Estados Unidos entendiam utilizar os acontecimentos do Próximo-Oriente para enfraquecer a União Europeia [2]. No início da actual crise dos «refugiados», fomos os primeiros a observar simultaneamente que este evento tinha sido deliberadamente provocado, e os problemas insolúveis que ele ia colocar [3]. Infelizmente, todas as nossas análises acabaram provadas, e as nossas posições foram, depois, amplamente adoptadas pelos nossos detractores de então.
Indo mais longe, interessa-nos avaliar a maneira como a Turquia tomou conta do jogo e a cegueira da União Europeia, que persiste em estar um passo atrás.

O jogo de Recep Tayyip Erdoğan

O presidente Erdoğan não é um homem político como os outros. E, não parece que os Europeus, nem os povos, nem os seus dirigentes, tenham tomado plena consciência disso.
• Primeiro, ele veio da Millî Görüş, um movimento islâmico pan-turquista ligado aos Irmãos Muçulmanos do Egipto e defensor do restabelecimento do Califado [4]. Segundo ele —como, aliás, segundo os seus aliados do Milliyetçi Hareket Partisi (MHP)— os Turcos são os descendentes dos Hunos de Átila, eles próprios filhos do lobo das estepes da Ásia Central, do qual herdariam a resistência e a crueza. Formam uma raça superior chamada a governar o mundo. A sua alma é o Islão.
O presidente Erdoğan é o único chefe de Estado do mundo a reivindicar-se de uma ideologia supremacista étnica, perfeitamente comparável ao arianismo nazista. É, igualmente, o único chefe de Estado no mundo a negar os crimes da sua história, nomeadamente os massacres de não-muçulmanos pelo Sultão Abdulhamid II (os massacres hamidianos de 1894-1895: pelo menos 80. 000 Cristãos mortos e 100.000 Cristãs incorporadas à força nos haréns), depois pelos Jovens Turcos (genocídio dos Arménios, dos Assírios, dos Caldeus, dos Siríacos, dos Gregos pônticos e dos Yazidis de 1915 a 1923: pelo menos 1,2 milhões de mortos); um genocídio que foi executado com a ajuda de oficiais alemães, entre os quais Rudolf Höss, futuro director do campo de Auschwitz [5].
 
 
Ao celebrar o 70º aniversário da libertação do pesadelo nazista, o presidente Vladimir Putin sublinhou que «as ideias de supremacia racial e de exclusivismo provocaram a guerra mais sangrenta da História» [6]. Depois, aquando de uma marcha —e sem nomear a Turquia—, ele apelou a todos os Russos para estarem prontos a renovar o sacrifício dos seus avós, se necessário, afim de salvar o princípio da própria igualdade entre os homens.
• Em segundo lugar, o presidente Erdogan, que apenas tem o apoio de um terço da sua população, governa sozinho o país pela força. É impossível saber com precisão o que pensa o povo turco, uma vez que a publicação de qualquer informação pondo em causa a legitimidade do presidente Erdoğan é agora considerada como uma violação da segurança do Estado, e conduz imediatamente à prisão. No entanto, se nos referirmos aos mais recentes estudos publicados, em outubro de 2015, menos de um terço do eleitorado o apoia. O que é nitidamente menos que os nazistas em 1933, que dispunham, então, de 43% dos votos. Esta foi a razão pela qual o presidente Erdoğan só pode ganhar as eleições legislativas após uma grosseira falsificação.
Entre outras:
- Os média (mídia-br) da oposição foram amordaçados: os grandes jornais quotidianos Hürriyet e Sabah assim como a televisão ATV foram atacadas por homens de mão do partido no poder; foram lançadas investigações visando jornalistas e órgãos de imprensa acusados de apoiar o «terrorismo» ou de ter feito comentários difamatórios contra o Presidente Erdoğan; “sites” web foram bloqueados; prestadores de serviços digitais suprimiram do seu cartaz os canais de televisão da oposição; três dos cinco canais de televisão nacionais, entre os quais a emissora pública, foram nos seus programas claramente partidários do partido no poder; outros canais de televisão nacional, o Bugün TV e Kanalturk, foram fechadas pela polícia.
- Um estado estrangeiro, a Arábia Saudita, derramou £ 7 mil milhões (bilhões-br) de «donativos» para «convencer» os eleitores a apoiar o presidente Erdoğan (ou seja cerca de 2 mil milhões de euros).
- 128 sedes políticas do Partido de esquerda (HDP) foram atacadas por sicários do partido do presidente Erdoğan. Inúmeros candidatos e suas equipes foram espancados. Mais de 300 lojas curdas foram saqueadas. Dezenas de candidatos HDP foram presos e colocados em prisão preventiva durante a campanha.
- Mais de 2. 000 opositores foram mortos durante a campanha eleitoral, quer pelos ataques, quer por causa da repressão governamental visando o PKK. Várias aldeias do sudeste do país foram parcialmente destruídas por tanques do exército.
Desde a sua «eleição», uma cortina de chumbo desceu sobre o país. Tornou-se impossível alguém poder informar-se sobre o estado da Turquia através da sua imprensa nacional. O principal diário da oposição, Zaman, foi colocado sob tutela e limita-se agora a louvar a grandeza do «sultão» Erdoğan. A guerra civil, que lavra já no Leste do país, estende-se, com atentados em Ancara e até Istambul, perante a total indiferença dos Europeus [7].
Erdoğan governa quase só, rodeado por um grupo restrito, no qual se inclui o Primeiro-ministro Ahmet Davutoglu. Ele declarou publicamente, durante a campanha eleitoral, que não respeitava mais a Constituição e que, agora, todos os poderes lhe estavam entregues.
A 14 de março de 2016, o presidente Erdogan declarou que face aos Curdos: «A democracia, a liberdade e o estado de direito não têm mais o menor valor». Ele anunciou sua intenção de alargar a definição legal de «terroristas» para incluir todos os que são «inimigos dos Turcos» —quer dizer os Turcos e não-Turcos que se opõem ao seu supremacismo—.
Por metade de mil milhões de euros, Recep Tayyip Erdoğan, fez construir para si próprio, o maior palácio jamais ocupado por um chefe de Estado na história mundial. O «palácio branco», em referência à cor do seu partido, o AKP. Ele estende-se por 200. 000 metros quadrados e compreende todo o tipo de serviços, entre os quais “bunkers” de segurança ultra-modernos ligados a satélites.
• Terceiro, o presidente Erdoğan utiliza os poderes que anti-constitucionalmente se atribuiu para transformar o Estado turco em padrinho do jiadismo internacional. Em Dezembro de 2015, a polícia e a Justiça turcas conseguiram estabelecer os laços pessoais de Erdoğan e do seu filho Bilal com Yasin al-Qadi, o banqueiro global da Al-Qaida. Ele despediu, pois, os policias e os magistrados que tinham ousado «pôr em causa os superiores interesses da Turquia» (sic), enquanto Yasin al-Qadi e o Estado colocavam um processo judicial ao quotidiano de esquerda BirGün por ter reproduzido o meu editorial, «Al-Qaida, eterna reserva da Otan».
Em Fevereiro último, a Federação da Rússia entregava um relatório de Inteligência ao Conselho de Segurança da ONU atestando o apoio do Estado turco ao jiadismo internacional, em violação de inúmeras resoluções [8]. Eu publiquei um estudo aprofundado sobre estas acusações, imediatamente censurado na Turquia [9].

A resposta da União Europeia

A União Europeia tinha enviado uma delegação para vigiar as eleições legislativas em novembro de 2015. Ela adiou longamente a publicação do seu relatório, depois resolveu-se a publicar sobre isso uma curta versão, adocicada.
Em pânico pelas respostas das suas populações reagindo duramente à entrada maciça de migrantes —e, para os Alemães, à abolição do salário mínimo que daí resultou—, os 28 Chefes de Estado e de Governo da União finalizaram com a Turquia um procedimento para que ela resolva os seus problemas. O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, declarou, de imediato, que a solução escolhida viola o direito internacional, mas, mesmo supondo, a propósito, que as coisas possam ser melhoradas, nem é este o principal problema.
A União comprometeu-se a
- pagar 3 mil milhões de Euros anuais à Turquia para a ajudar a fazer face às suas obrigações, mas sem qualquer mecanismo de verificação da utilização destes fundos;
- pôr fim aos vistos exigidos aos Turcos para entrar na União [10] —o deve ser feito em alguns meses, ou até semanas— ;
- acelerar as negociações de adesão da Turquia à União —o que, pelo contrário, será muito mais demorado e aleatório—.
Por outras palavras, cegos pela recente derrota eleitoral de Angela Merkel [11], os dirigentes Europeus contentaram-se em encontrar uma solução provisória para abrandar o fluxo dos migrantes, sem procurar resolver a origem do problema e sem ter em conta a infiltração de jiadistas neste fluxo.
JPEG - 48 kb
Que fizemos?
© União europeia

O precedente de Munique 

Nos anos 30, as elites europeias e norte-americanas consideravam que a URSS, devido ao seu modelo, ameaçava os seus interesses de classe. Eles apoiavam pois, colectivamente, o projecto nazi de colonização da Europa Oriental e de destruição dos povos eslavos. Apesar dos repetidos apelos de Moscovo para a criação de uma vasta aliança contra o nazismo, os dirigentes europeus aceitaram todas as reivindicações do chanceler Hitler, incluindo a anexação das regiões povoadas pelos Sudetas. Foi o Acordo de Munique (1938), conduzindo a URSS a adoptar o salve-se quem puder e a concluir o Pacto germano-soviético—1939—(Molotov-Ribbentrop- ndT). Só muito tardiamente é que certos dirigentes europeus, depois norte-americanos, perceberam o erro e decidiram aliar-se com Moscovo contra os nazis.
Diante de nossos olhos repetem-se os mesmos erros. As elites europeias consideram a República da Síria como um inimigo, seja porque defendem o ponto de vista colonial de Israel, seja porque esperam recolonizar, eles mesmos, o Levante apropriar-se das suas gigantescas reservas de gás ainda inexplorado. Elas apoiaram, pois, a operação secreta norte-americana de «mudança do regime» e fingiram acreditar na fábula da «Primavera Árabe». Após cinco anos de guerra por procuração, constatando que o presidente Bashar el-Assad ainda está lá, embora tivessem mil vezes anunciado a sua demissão, os Europeus decidiram financiar pelo montante de 3 mil milhões de euros anuais o apoio turco anual aos jiadistas. O que, segundo a sua lógica, deveria permitir a sua vitória e, portanto pôr um fim às migrações. Eles não tardarão a perceber [12], mas já muito tarde, que ao abolirem os vistos para os cidadãos turcos, autorizaram a livre-circulação entre os campos da Al-Qaida na Turquia e Bruxelas [13].
A comparação com o final dos anos 30 é tanto mais parecida quando na altura do Acordo de Munique o Reich nazista já havia anexado a Áustria, sem provocar reação notável de outros Estados europeus. Ora, hoje em dia, a Turquia ocupa já o Nordeste de um Estado-Membro da União Europeia, Chipre, e uma faixa de alguns quilómetros de profundidade na Síria, que administra através de um walli (prefeito) nomeado para este efeito. Não apenas a U.E. aceita isso, como pela sua atitude, ela encoraja Ancara a prosseguir as suas anexações com total desprezo pelo Direito internacional. A lógica comum ao chanceler Hitler e ao presidente Erdoğan é baseada na unificação da «raça» e na purificação da população. O primeiro queria unir as populações de «raça alemã» e purificá-las de elementos «estrangeiros» (Judeus e Roma), o segundo quer unir as populações de «raça turca» e purificá-las de elementos «estrangeiros» (os Curdos e Cristãos).
Em 1938, acreditavam na boa fé do chanceler Hitler, hoje em dia na do presidente Erdoğan.
Tradução 

 

Soros-Obama-Merkel-Erdogan Win Control Of Europe (in Strategic Culture Online)

EDITOR’S CHOICE | 20.03.2016

Soros-Obama-Merkel-Erdogan Win Control Of Europe

Investigative historian Eric Zuesse is the author, most recently, of  They’re Not Even Close: The Democratic vs. Republican Economic Records, 1910-2010, and of  CHRIST’S VENTRILOQUISTS: The Event that Created Christianity.
On Friday, March 18th, a combined effort by George Soros, Barack Obama, Angela Merkel, and Tayyip Erdogan, arranged to get the EU to abandon previously sacrosanct fundamental human rights of refugees, and to transfer $6B+ to Turkey, in return for placing the refugee burden onto Turkey and getting Turkey to cooperate so as to assist the breakup of Syria, which will enable a gas-pipeline and an oil-pipeline to be built through Syria to enable Qatar’s gas and Saudi Arabia’s oil to be pipelined through Syria into the EU, so as to replace Russian oil and gas, which now fuel the EU.
Here, in my rush translations from the original German-language reports at German Economic News (Deutsche Wirtschafts Nachrichten) are the key reports and headlines: deutsche-wirtschafts-nachrichten.de
Turkey deal: Germany could take majority of refugees
[Translated by Eric Zuesse from] German Economic News  |  Published:18:03:16 02:56 Clock
The most important consequence of the EU summit is not in the official statement. A plan long discussed, now finalizing: Germany takes the majority of refugees from Turkey, and oil and gas pipelines will replace Russian oil and gas to Europe by Saudi oil and Qatari gas.
Europe’s energy supply should result in future Syria. (Graphic: oilprice.net)
Screen Shot 2016-03-18 at 10.40.37 PM
According to Luxembourg Prime Minister Xavier Bettel, the leaders of the European Union mutually agreed with Turkey to cut Russia out of the EU gas market, cut Qatar [a U.S. ally] in. They agreed in the early hours of Friday on a refugee-&-gas-pipeline package to be approved by the Turkish government.
This agreement will substantially correspond to the Pact of Angela Merkel with Turkish President Erdogan. But it apparently comprises only a small portion of the prepared between Germany, Turkey and the USA.
Gerald Knaus, director of the Soros-funded think tank “European Stability Initiative” (ESI), for many months now has been advising Chancellor Angela Merkel on the refugee crisis. His ESI submitted the plan in October.
The original plan consists of two parts: On the one hand, Germany should, during the coming year, “grant 500,000 Syrian refugees asylum, who are now in Turkey.” Other European countries may participate, but on a voluntary basis. At the same time Turkey will take from Greece “all new migrants.”
Knaus, himself Austrian, told the Viennese daily the press, that “in the background, a more radical idea has already been largely negotiated” which will “probably very soon be announced“: Knaus said that a “coalition of the willing” will take 900 Syrians per day — “no matter how many Syrians come to Greece.” This would be about 300,000 people per year — slightly less than in the original Soros plan.
The reason for Europe’s acquisition of hundreds of thousands of refugees is obvious: The proposed EU summit one-to-one solution would not be enough to relieve Turkey significantly. Moreover, it’s not lawful from the perspective of the Geneva Convention, as human rights organizations have complained since the start of the Soros proposal. The coalition of the willing currently consists of Germany, Portugal and Sweden. Austria has not yet agreed. Presumably Merkel will move some other countries also to participate. Thus, the plan could be presented as a European solution.
From an organizational standpoint, Knaus thinks that consideration in Turkey of the plan will succeed in an agreement being reached. Knaus holds this to be essential. He told the newspaper Die Welt: “The acceptance, by the public, of receiving the refugees is essential. Had we in Europe started earlier with a quota solution, we’d be farther along today. I think that also Sweden and Austria would have been on our side. Unfortunately, the process in the past year fell out of control. We had no idea who is coming into our country. This fueled fears. “
The Soros plan is apparently agreed with the US government. Angela Merkel supported in this way the geopolitical plans of the Americans, who have a special interest in developing their energy policies in the region. They are planning the Trans Adriatic Pipeline (TAP). Construction of TAP is pushed by the United States. This will run from the Turkish border via Greece, Albania and the Strait of Otranto to Italy. Thus, one of the main refugee routes to Europe, which is particularly overloaded after the closure of the Balkan route, will be cleared for pipelining gas into Europe.
Further destabilization of the TAP region is therefore not in the interests of the United States. They also want to ensure that Europe is supplied via a pipeline that’s under US control, not under Russian control. The US and Russia are fighting for the European energy market.
It is interesting in this context that a competing Russian pipeline through Syrian territory could also result. The surprising retreat of the Russians from Syria might suggest that there could be an agreement between Russia and the US: In this way, the geopolitical interests of both Great Powers could be safeguarded. The relationship between the pipeline projects and the war in Syria has the raw material site Oilprice.net analyzed in order that all parties want to solve the dependence of Saudi oil.
In this connection the role of the Americans is also in the media largely ignored regarding the visiting US diplomat Victoria Nuland in Idomeni. Nuland’s pithy sayings (such as “fuck the EU”) and her role in Ukraine, made her try to become known as a Goodwill Ambassador for Europe; she Thursday visited the refugee camps in the northern Greek Idomeni, reports Kathimerini .
The Turkish news portal Haberler reports what Nuland said in Idomeni: “It needs to be done for these people more. Athens has made a direct request to Washington. In this difficult situation, I’m here, for American-Greek solidarity. We will work together to solve the problem of distribution of refugees within the EU. In addition, we want to help ensure that the deal between the EU and Turkey is fair and transparent. It’s time to better accommodate the migrants. “
On 11 March, Nuland met with representatives of the Greek government in Athens to discuss the full range of bilateral and regional issues, including the request for assistance of Greece to the United States, in solving the migration problem, reported the US State Department.
This context could explain also why Angela Merkel has waited so long to go to the German public with a real plan for the refugee crisis — even though they have long been familiar with the Soros plan and he apparently also laid the basis with the Chancellor for Turkey jointly to launch the proposal at the EU summit: this was to help Merkel not to inflame sentiment in Germany before the state elections. Because the message that Germany could possibly be the only country to take a large number of refugees, would have a serious impact that has led even without this perspective to tectonic shifts in favor of the AFD [anti-immigrant party].
Knaus sees the axis Ankara-Berlin as crucial for geopolitical orientation against Russia. He said in an international interview that Germany made the mistake not to place undue reliance on the EU Commission: “Germany has early understood much. But it made the mistake of relying too much on the implementation by the Commission. Germany would have taken matters into its own hands earlier.”
Knaus sees the role of Germany as partners with Turkey and the USA. Here lies the common interest to host the refugees: “Germany does not expire like other states in an anti-Islam rhetoric. At the same time it sees Ankara, in a delicate geostrategic position between anti-Muslim governments in Europe and a strong Putin. A successful and connected in partnership by Berlin may be worth a lot for Turkey and its approach to Europe.”
This closes the circle for the TAP pipeline: The Americans want to snatch the European energy market away from Russia. In the absence of our own energy policy, Europeans are currently completely dependent on Russia. If both pipelines – quasi in a duopoly of the Americans and the Russians – are built, the energy policy space for the EU would increase significantly.
That led to the present situation, a murderous war that’s driven hundreds of thousands from Syria and Iraq. It had to be, from a geopolitical point of view of the parties — Russia, the US and the EU — regarded as collateral damage.
After all, the Soros plan would in fact lead to the result that the right of asylum would be respected so that immigration to Europe is not completely disordered. What guarantees that the EU gets Turkey to treat the refugees humanely, is completely unclear. It also is unclear whether the acceptance of refugees in Germany can be satisfactorily prepared. It also remains open whether the EU will have, as a result of the apparent cleavage of the project, neither the power to play as a political union, nor a role that goes beyond that of simply a large, attractive market.
Popaganda

Pop culture is soft-power

ML-Theory

A Marxist-Leninist Blog

John Riddell

MARXIST ESSAYS AND COMMENTARY

The Espresso Stalinist

Wake Up to the Smell of Class Struggle ☭

Viajar na História

Ontem, Hoje, Amanhã

Irresistível Mistura por Daiane Lopes

Receitas criativas, temperos e amor pela cozinha. A mistura irresistível do nosso dia-a-dia.

Philosophers for Change

Ideas for a new age

STALIN'S MOUSTACHE

Roland Boer's Blog: Marxism, Philosophy, Religion, Politics, whatever ...

communists in situ

leberwurst proletariat

Proletarian Center for Research, Education and Culture

...in the new exuberant aggressiveness of world capitalism we see what communists and their allies held at bay. - Richard Levins

Les Orwelliens

Collectif de journalistes souverainistes présidé par Natacha Polony

paixãoporlisboa

Espaço dedicado a memórias desta cidade

VITALIVROS

Livros Raros & Curiosos

Sabores com História

São os Sabores que nos Definem. Fazem parte da nossa Herança familiar e cultural. Contam muito de Nós, e dos Outros. São, a par de Outros, dos melhores Contadores de Histórias que conheço. Até já.

Confrariamor

Dos Eventos à história das Confrarias... gastronómicas e báquicas, passando pelos produtos endógenos e as iniciativas que acentuam o que é diferente, único, genuíno, tradicional e que importa preservar e defender, num mundo global.

Fotoclube f/508

www.fotoclubef508.com

Oscar en Fotos

Reflexiones e ideas en torno a la fotografía

%d bloggers like this: