Condicionamento Ideológico e Quadros Profissionais no Capitalismo

A lavar cérebros de um modo polido e profissional

por John Pilger
“Um dos livros mais originais e provocantes da última década é Mentes disciplinadas (Disciplined Minds) de Jeff Schmidt [NR 1] (Rowman & Littlefield). “Um olhar críticos aos profissionais assalariados”, diz a capa, “e o sistema de massacre de almas que molda as suas vidas”. O seu tema é a América pós-moderna mas também se aplica à Grã-Bretanha, onde o estado corporativo engendrou uma nova classe de administradores americanizados para dirigir os sectores privado e público: os bancos, os principais partidos, corporações, comités importantes, a BBC.

Dizem que os profissionais são meritórios e não ideológicos. Mas, apesar da sua educação, escreve Schmidt, eles pensam menos independentemente do que não profissionais. Eles utilizam jargões corporativos como “modelo”, “desempenho”, “alvos”, “visão estratégica”. Em Mentes disciplinadas, Schmidt argumenta que o que faz profissional moderno não é conhecimento técnico mas “disciplina ideológica”. Aqueles na educação superior e nos media fazem “trabalho político” mas de um modo que não é visto como político. Ouçam um indivíduo sénior da BBC descrever o nirvana da neutralidade ao qual ele ou ela se elevaram. “Tomar partido” é anátema; e o profissional moderno sabe nunca desafiar a “ideologia incorporada do status quo”. O que importa é a “atitude certa”. [NR 2]

Uma chave para o treino de profissionais é o que Schmidt chama “curiosidade assinalável”. As crianças são naturalmente curiosas, mas ao longo do caminho para tornar-se um profissional eles aprendem que a curiosidade é uma série de tarefas assinalada por outros. Ao entrar no treino, os estudantes são optimistas e idealistas. Ao deixá-lo, estão “pressionados e perturbados” porque percebem que “o objectivo primário para muitos é serem suficientemente compensados por abandonarem seus objectivos originais”. Tenho encontrado muitos jovens, especialmente jornalistas novatos, que se reconheceriam a si próprios nesta descrição. Pois não importa quão indirecto é o seu efeito, a influência primária dos administradores profissionais é culto político extremo da devoção ao dinheiro e à desigualdade conhecido como neoliberalismo”. O original encontra-se em http://www.johnpilger.com/articles/brainwashing-the-polite-and-professional-way 


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
Anúncios