Nótula Sobre o Absurdo do Acordo Ortográfico


Já ouvi diversos, mas todos absurdos, argumentos em defesa do Acordo Ortográfico. 
A simplificação da escrita tornará mais acessível a língua aos estrangeiros e, sobretudo, facilitará a aprendizagem da mesma às crianças. É preciso, todavia, dizer, que o castelhano tem uma ortografia das mais simples, em comparação com o inglês, com o francês, com o alemão, para já não falar das línguas não alfabéticas mas ideográficas, que não têm vinte e poucos caracteres mas centenas ou mesmo milhares. Ora, prova-se, com dados estatísticos, que a taxa de alfabetização dos países falantes dessas línguas tem a ver, não com a sua complexidade mas com a qualidade do seu sistema de ensino e com o seu poder económico e político. O inglês é a língua mais estudada no mundo.
O Acordo Ortográfico criou uma escrita mais natural, aproximada à fala. Esta tese é ainda mais descabelada. Toda a gente sabe – menos o Malaca Casteleiro – que os caracteres das línguas alfabéticas são totalmente convencionais, isto é, não há relação motivada entre um caracter escrito e um fonema. Escrevia-se ‘farmácia’ com ‘ph’, mas a sua substituição por ‘f’ não aproximou um cagalhésimo (apetece-me exprimir-me assim, nesta circunstância) do som articulado que constitui um elemento da fala. Aliás, os ingleses e os franceses, que, como sabemos, possuem idiomas primitivos, mantêm o ‘ph’.


Então porquê esta questiúncula em torno do Acordo Ortográfico, se tanto faz escrever duma maneira ou de outra? É que este Acordo faz surgir dois problemas sistemáticos. 
O primeiro problema reside no aparecimento da inconsistência na forma de indicação de palavras com a mesma raiz. Por exemplo a modificação do nome ‘Egito’ no seu adjectivo ‘egípcio’ faz reaparecer a letra ‘p’, quando, em coerência, deveria passar a escrever-se ‘egício’. 
O segundo problema consiste na perca de sinais gráficos indicadores (não importa se convencionais, porque todos o são) de regras de pronúncia, tornando mais difícil a aprendizagem e a conservação da dicção correcta (passaremos a escrever ‘dição’?). É o caso de ‘expectativa’, que passa a ‘expetativa’. Além de que é sabido que muita gente diz ‘expectável’ e ‘expectaste’ pronunciando a letra ‘c’, quando no Acordo Ortográfico ela não deve aparecer. O mesmo acontece com a substituição de ‘espectador’ por ‘espetador’. A consoante muda ‘c’ não é exactamente muda mas tem uma função fonética evidente. Mais escandaloso ainda é a supressão do acento agudo em ‘para’ do verbo ‘parar’, o eliminar do acento circunflexo de ‘pêlo’, ficando ‘pelo’, o que tem apenas a vantagem de poupar na tinta e a desvantagem de criar equívocos. Isto mostra como o Acordo Ortográfico não nos aproxima a escrita da fala.


E, já agora, por que os ingleses e os franceses não se querem livrar de letras inúteis, mesmo do ponto-de-vista da codificação fonética? Só pode haver um único motivo, se não for a preguiça. Eles sabem que a escrita não tem apenas uma função pragmática; ela tem um estética própria, diferenciada das outras, que dá uma certa roupagem à língua e define o estilo visual da mesma. Além disso, e este é um outro motivo de que agora me lembrei, sabem, e Malaca Casteleiro não, que a grafia está associada à génese de cada palavra, no nosso caso sobretudo ao latim.

Anúncios