Resposta Duas Encíclicas do Papa João Paulo II que uma Senhora Citou Num Debate Sobre o Conflito na Ucrânia (Ela Acha que Putin é Comunista?)

    • Elizabeth Brianne

       

      A guerreira contra o poder oculto dos esbirros malignos

       

       

      cita o Papa João Paulo II, campeão, junto com Margaret Tatcher e Ronald Reagan, da derrota do comunismo, por enquanto:

       

       

       

      “- as reformas necessárias ao capitalismo não se atingem abolindo a propriedade privada;- passar o capital do proprietário para a sociedade organizada, é dar a sua administração e fiscalização diretas a alguns que dispõem da economia nacional e local; – a administração da economia coletivizada pode ser exercida satisfatoriamente, mas também pode ser mal exercida por quem reivindique o monopólio da administração e ofenda os direitos do homem; – a verdadeira socialização da propriedade respeita a subjetividade da sociedade e, pelo trabalho permite a cada um dos seus membros ser comproprietário do grande banco de trabalho em que se empenha com os demais”. (Laborem Exercens)

       

       


    • Elizabeth Brianne

       


      A guerreira contra o poder oculto dos esbirros malignos

       

      Ora como se pode ver é necessário encontrar-se uma situação intermédia onde as pessoas não sejam máquinas, robôs, todos iguais, sem individualidade, mas sim seres com plenos direitos e deveres onde colaboram com finalidades económicas, sociais e culturais e de forma ativa e não em série e sem alma. Diz ele ainda analisando a queda do comunismo que um dos erros básicos é de natureza antropológica. O sistema claudicou porque de uma forma prática falseou a realidade do próprio homem, assim aponta:

       

       


    • Elizabeth Brianne

       


      A guerreira contra o poder oculto dos esbirros malignos

       

      – “cada homem é apenas molécula do organismo social; – o bem do indivíduo é subordinado ao mecanismo económico-social; o bem do indivíduo realiza-se sem a livre opção e decisão responsável; desaparece o conceito de pessoa como sujeito autónomo de decisão moral; – distorção do direito que define o exercício de liberdade; – dependência da máquina social e dos que o controlam; – impossibilidade de constituir uma autêntica comunidade humana (desaprendizagem da liberdade individual)”. (Centesimus Annus).

       

       

 

Elizabeth Brianne

 

A guerreira contra o poder oculto dos esbirros malignos

 

 

 

Conclusão a economia marxista causou a fome e provocou o subdesenvolvimento político e anulou a cultura. O homem é um sujeito de opções livres e os valores humanos verdadeiros devem priorizá-lo em toda a sua integridade.”

 

 

 
 
Resposta minha:
Você cai no mesmo erro inútil que tem milhares de anos, pelo menos desde Platão: a ideia de que são as ideias que mudam o mundo. Mas não são as ideias mal aplicadas que fazem o mundo “mau”. 
As ideias pelas quais as pessoas mudam o mundo acompanham as relações de produção e os meios de produção, e não o contrário. Não foi a ideia de propriedade privada que foi mal aplicada; foi a propriedade privada que engendrou as ideias sobre ela, a seu favor e contra, em função das contradições sociais que ela, a propriedade privada gerou pela sua simples existência e seu desenvolvimento intrinsecamente económicos. O materialismo dialéctico, filosofia do movimento comunista criada por Marx e Engels, explica-o.
E o que a propriedade privada engendrou não foi nada de bonito (escravidão, servidão, assalariados privados de direitos enquanto não se organizaram em sindicatos e partidos), ainda que, no sistema capitalista tivesse sido um meio de progresso económico. Mas é inerente à propriedade privada a exploração do homem pelo homem e a separação da Humanidade em duas classes antagónicas, assim como todos os males que ao longo da História acompanharam esse antagonismo. 
Fica bem ao Papa falar dos espíritos (ideias mais-ou-menos transcendentes) em que você acredita porque a Igreja apenas apazigua as almas, além de prover uma certa dose de caridade.

 

Resta-me dizer o que o Papa escreveu sobre o socialismo (estou a falar do socialismo europeu, o que mais se aproximou, sem lá chegar, dos princípios e valores marxistas) é falso. Sei que não vai acreditar porque nunca investigou objectivamente o assunto, não leu os autores marxistas nem esteve nesses países, como eu estive. 
Tanto pior para si e para todos nós, os da Humanidade, que só perdemos com a sua falta de conhecimento.
Anúncios