Soneto do Encornar Místico – Poema de Pedro Mota, A Matéria Humana

6 de Fevereiro de 2011

LV
a alma é a metáfora do corpo
que aprisionou o seu objecto
máscara arrogante morta de medo
pelo medo vivo de o ser da morte
o sonho confundiu-se com o dia
o sono tomou conta da razão
pois fartos dos pais da terra sonharam
mal acordados um anjo encornar
um carpinteiro absurdo e casto
com uma luz de laser vinda do alto
sobre o ideal clássico de mulher
a bela que emprenhou sem prazer
e que sem pecado pariu na dor
o rapaz que inventou esta história
Anúncios