meu amor é matéria de uvas (poema de Pedro Mota, A Matéria Humana)

 
 
IX
meu amor é matéria de uvas
numa consciência de ponta
com mãos de fibras acendidas
que em arco teso te desmontam
no duro membro que te afunda
numa alma de carne sensível
ascendes e ascendo na tua
vertigem de ser automóvel
tudo vida tudo matéria
no princípio sempre acção
do trabalho faço as férias
na vera chama do tesão
nasce um forte espírito térreo
na boca firme do teu querer
que tuas palavras são o ferro
cravado na tenda do ser


Anúncios