Crimes Neo-Coloniais, Sentimento Impotente e Irracional de Culpa e Fanatismo Vingativo

Não me recordo de quem é o autor deste artigo. Pedindo desculpa ao autor, julgo-o tão relevante e desassombrado que cedo à tentação de, mesmo assim, o publicar aqui:
“See this pictures and decide how you really feel about the future of the Western World if we stay naives about uncontroled imigration and if you think that we can live without consequences with the economic exploitation of muslams and another foreign people, because we dont make childrens. These pictures are of Muslims marching through the STREETS OF LONDON during their ‘Religion of Peace Demonstration.’ This fanatism is a consequence of the european and american suport of the opressive arabs regimes that are friendly to the economic and politic ocidental interests.
But if we need to be conscious of the ocidental injuries against these countries and peoples, we must be concerned also about the future of the european conquests: democracy, individual and political freedom, social security and welfare state. We need not to feel anymore guilty of our past imperialism. We must be proud of the european culture, that remains until now from the last fifth centuries, in general terms, the better in the word.”
Vamos acabar com estes fanatismos, com esta irracionalidade e vamos-nos entender no que temos ou podemos ter em comum  – a razão. Mas vamos também não nos deixar impotentes por um sentimento de culpa que nos condena à impotência, à vergonha de assumirmos os nossos melhores valores, e nos impede de encontrar soluções que permitam conservar a nossa identidade e ao mesmo tempo enveredar por uma colaboração justa e pacífica com as outras regiões e culturas. Só assim, com o respeito cultural, político e económico pelos outros povos, a nossa cultura poderá sobreviver e melhorar. A conservação da nossa identidade, que está sempre em movimento e é histórica e osmótica, depende desse respeito devido aos outros povos. Mas parece que não, que os estado-unidenses e os europeus (dirigentes e população), na sua sanha imperialista capitalista, insistem apenas em continuar a submeter, e desestabilizar, a guerrear, a explorar – sob a auto-ilusória mascarada dos direitos humanos, do acolhimento caritativo, da ajuda alimentar.
Anúncios