Internet e Inter-Burros – Sobre um Artigo Publicado em 2008

 

English: Left to right, Eric E. Schmidt, Serge...

Artigo publicado na edição impressa do Expresso de 30 de Agosto de 2008, 1º Caderno, página 20:
 
«Está o Google a estupidificar-nos?” A inquietação, explorada pelo ensaísta Nicholas Carr na última edição da revista americana ‘The Atlantic’, fez soar o alarme. Como pode ser isso possível se, graças à extraordinária invenção de Larry Page e Sergey Brin, até mesmo os menos cultos têm à distância de um clique as respostas para se sentirem capazes de ganhar o ‘Quem Quer Ser Milionário?’. Como se, graças ao mais famoso motor de pesquisa do mundo, deixou hoje de fazer sentido saber menos que uma criança de 10 anos desde que haja um computador à mão? Como, se pesquisas que antes poderiam levar dias numa qualquer biblioteca pública podem ser agora realizadas em apenas minutos. Como?O Expresso foi ouvir alguns especialistas sobre a forma como a Internet tem afectado os nossos cérebros e as conclusões são preocupantes: quanto mais tempo passamos na Internet, maior dificuldade temos em nos concentrar numa leitura mais vasta e profunda, como a de um livro. Da sociedade da informação nasceu um novo tipo de leitores: mais contemplativos e menos interpretativos. Onde é que já ouvimos isto?A pergunta de Carr é, naturalmente, provocatória. O autor não pretende demonizar o Google, antes usá-lo como exemplo da forma como, apesar das suas vantagens inequívocas, a afirmação da Web como o “media” universal representa um elevado preço a pagar pelos nossos mecanismos cognitivos. “Não me consigo concentrar se não houver gratificação instantânea”, admite Edson Medina, programador informático há 10 anos, o que, nas suas próprias palavras, o coloca “no grupo dos mais expostos” ao problema. “Tenho de reler inúmeras vezes as páginas porque me distraio constantemente e perco-me. Muitas vezes, talvez a maioria, acabo por desistir antes de terminar o livro. A minha capacidade de concentração ruiu nos últimos anos e quer-me parecer que não estou sozinho nisto”.Não está, de facto. Celso Martinho, co-criador do Sapo, o primeiro motor de busca português, admite que a Internet também alterou a forma como encara a leitura, bem como outras actividades que requerem “concentração, atenção e dedicação”. “Leio hoje de forma completamente diferente do que fazia há cinco ou 10 anos. Faço-o em busca da satisfação imediata, pulo capítulos ou partes desinteressantes, leio-o na diagonal, adultero o livro”.»
Anúncios